Conselho de Ética abre processo contra Donadon

PSB apresentou na semana passada pedido de cassação do deputado preso por peculato e formação de quadrilha. Em 28 de agosto, os rejeitaram a cassação do mandato

O Conselho de Ética abriu nesta quarta-feira (11) processo por quebra de decoro parlamentar contra o deputado afastado Natan Donadon (sem partido-RO). Ele contou com a ajuda dos colegas para manter o mandato mesmo estando preso por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Após a instauração do inquérito, foi formada uma lista tríplice para a escolha do relator.

Para o líder do partido responsável pela representação, Beto Albuquerque (PSB-RS), analisar o processo no Conselho de Ética é uma oportunidade da Câmara se redimir da manutenção do mandato. “Os efeitos do ato indecoroso passado do deputado presidiário projetam-se para a atualidade e atingem frontalmente a imagem da Câmara dos Deputados, provocando grave dano político e afetando a credibilidade da instituição”, diz a representação. Albuquerque assinou o pedido como presidente em exercício do PSB.

Após abrir o processo contra Donadon, o presidente do Conselho de Ética, Ricardo Izar (PSD-SP), fez um sorteio para compor a lista tríplice de relatores para o caso. Não podem participar parlamentares do PMDB, ex-partido do deputado afastado, e do PSB, autor da representação. Fazem parte da lista Renzo Braz (PP-MG), José Carlos Araújo (PSD-BA) e Sibá Machado (PT-AC).

Entre hoje e amanhã, Izar vai conversar com os três deputados para depois escolher aquele que terá a missão de relatar o caso e propor uma punição ou até mesmo a absolvição de Donadon. O deputado, condenado a 13 anos, quatro meses e dez dias de prisão pelo STF, está afastado do mandato desde 28 de agosto por decisão do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). No seu lugar, tomou posse como suplente Amir Lando (PMDB-RO).

Outros textos sobre Natan Donadon

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!