Conselho adia votação de relatório contra Protógenes

Pedido de vista coletiva deixou votação para a próxima semana. Relator recomendou investigação contra comunista por proximidade a Carlinhos Cachoeira

Um pedido de vista coletivo adiou para a próxima semana a votação do relatório preliminar pedindo a investigação do deputado Delegado Protógenes (PCdoB-SP) pelo Conselho de Ética da Câmara. O comunista é acusado pelo PSDB de ter envolvimento com o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

De acordo com o Código de Ética da Câmara, após a instauração do processo, o relator indicado deve apresentar um parecer prévio admitindo ou não o prosseguimento das investigações. O relator do caso é o deputado Amaury Teixeira (PT-BA). Na semana passada, ele adiantou que os indícios eram suficientes para iniciar uma investigação contra Protógenes.

Após a leitura do relatório aos colegas, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), pediu vista. A justificativa é que, por estar concentrado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, não teve tempo para acompanhar o processo contra Protógenes. Por iniciativa de outros deputados, como Sibá Machado (PT-AC) e Wladimir Costa (PMDB-PA), acabou virando um pedido de vista coletiva.

A apresentação do relatório de Amaury Teixeira deixou explícita uma divisão na bancada petista. O líder do partido na Câmara, Jilmar Tatto (SP), informou que a posição do partido é pelo arquivamento do processo ainda na fase preliminar. "Nós temos a convicção de que não há sentido em dar continuidade ao processo", disse Tatto. Antes do pedido de vista, Sibá Machado chegou a apresentar um voto em separado.

No entanto, segundo o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), não é possível apresentar um voto em separado neste momento. Caso o parecer do relator seja derrubado, o pessedista vai indicar um outro parlamentar para elaborar um novo relatório.

O pedido de investigação do PSDB tem como ponto de partida reportagem do jornal O Estado de S. Paulo publicada em abril. De acordo com o periódico, havia cumplicidade entre Protógenes e ex-sargento da Aornáutica Idalberto Matias, o Dadá, acusado de fazer parte da organização liderada por Cachoeira. Segundo as gravações da Polícia Federal que vazaram para a imprensa, o deputado teria orientado o depoimento de Dadá em inquérito da PF.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!