Conheça o perfil dos prefeitos que tomam posse

Quase 90% são homens e mais da metade tem entre 45 e 59 anos. A maior parte se declarou prefeito, empresário, agricultor ou comerciante ao registrar a candidatura

Homem, entre 45 e 59 anos, reeleito para mais um mandato de quatro anos. Esse é o perfil médio dos prefeitos que saíram vitoriosos das urnas em outubro para comandar os 5,5 mil municípios brasileiros, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  As informações consolidadas dos dois turnos mostram que a política brasileira continua predominantemente masculina. As mulheres representam apenas 12% do total de prefeitos que tomam posse hoje. São apenas 654 contra cerca de 5 mil homens.

O mapa do poder no país após o segundo turno
Tudo sobre as eleições 2012

A maior parte dos prefeitos empossados tem entre 45 e 59 anos. São 2.786 (50,7%) nessa faixa etária. O segundo grupo etário mais numeroso tem entre 35 e 44 anos – são 1.458 (26,5%) prefeitos. Em terceiro lugar, aparece aquele situado entre 25 e 34 anos. Com 527 nomes, eles representam 9,5% dos eleitos.

Quem financiou os prefeitos eleitos no 2º turno
Quem bancou a campanha dos prefeitos nas capitais no 1º turno

Quanto os 26 prefeitos eleitos nas capitais receberam
Eleitos receberam R$ 158 milhões em doações ocultas

De acordo com o TSE, o prefeito eleito mais novo do Brasil é Pacheco Neto (PSD), de Chaval (CE). Nascido em 4 de setembro de 1991, ele superou por meses outros jovens prefeitos de 21 anos. Débora de Carvalho Noronha (PSB), de Belém do Piauí, Valéria do Manin (PR), de Araioses (MA), Pinheiro (PP), de Ibirité (MG), e Divaldo Soares (PSDB), de Viçosa do Ceará (CE) completam a lista dos mais jovens chefes do Executivo empossados nesta terça-feira. Em todo o país, 44 dos novos prefeitos têm menos de 25 anos.

Na outra ponta, Tião Biazzo (PMDB), de 89 anos, é o chefe de Executivo municipal mais idoso do país. Ele assume a prefeitura de Aguaí, município com pouco mais de 20 mil eleitores. O segundo mais idoso é o prefeito de Paiva (MG), Jair Toledo (PMDB), de 87 anos.

Pela legislação eleitoral, os candidatos devem declarar a profissão exercida. Muitos, apesar de outras atividades, informaram à Justiça Eleitoral os cargos públicos que exerciam no momento do registro da candidatura. E isso se reflete no quadro dos eleitos. Do total, 1.016 (18,5%) se declararam como prefeitos. Ou seja, acabaram reeleitos. Depois, 671 (12,2%) são empresários, 360 (6,5%) agricultores e 352 (6,4%) comerciantes.

Mapa partidário

Pelos dados do TSE, o partido que elegeu mais prefeitos mais uma vez é o PMDB. Foram 1026, 168 prefeitos a menos do que nas eleições de 2008. O PSDB, segunda legenda com mais prefeituras pelo país, também diminuiu, caindo de 781 mandatários para 702. Já o PT subiu de 544 para 635 e o PSB de 308 para 440. O PSD, que não existia há quatro anos, elegeu 496 prefeitos. Entre eles, o primeiro em capitais, César Souza Junior, em Florianópolis (SC).

Quando o recorte feito é sobre os municípios com mais de 200 mil eleitores, o cenário muda. Quem terá mais prefeitos é o PT (16), seguido pelo PSDB (15), pelo PSB (11), pelo PMDB (10) e pelo PDT (9).

O partido comandado pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), foi o que mais cresceu nas últimas eleições. Foram nada menos que 132 prefeituras a mais: 440 agora contra 308 em 2008. O PT apresentou também crescimento, elegendo 91 prefeitos a mais que em 2008. Já os tucanos pioraram seu desempenho, elegendo 79 prefeitos a menos que em 2008. Ninguém caiu mais, porém, que o DEM: foram 215 prefeituras a menos, na comparação entre 2008 e 2012.

Capitais

A segunda credencial importante do PSB é que será o partido no comando do maior número de capitais brasileiras: cinco. Uma delas é Belo Horizonte, capital do segundo maior colégio eleitoral do país, Minas Gerais. Também administra duas outras grandes cidades: Recife e Fortaleza. As outras duas capitais que serão comandadas pelos socialistas são Cuiabá e Porto Velho.

Além de São Paulo, o PT elegeu outros três prefeitos de capitais. Em números absolutos, duas prefeituras a menos do que o partido elegera em 2008. Na ocasião, o PT venceu em seis capitais. Embora tenha perdido São Paulo, o PSDB permanece no comando do mesmo número de prefeituras que administrava em 2008: quatro. O PMDB encolheu também nesse quesito: vencera seis eleições de capitais em 2008 e agora comandará apenas duas, sendo que uma delas é a segunda maior cidade brasileira, o Rio de Janeiro, com a reeleição de Eduardo Paes.

O PTB, que tinha três prefeituras de capitais, agora não terá nenhuma. O DEM continua com a comandar duas. O PDT tinha uma, e agora terá três. O PP tinha uma e passará a ter duas. Psol, PPS e PTC terão, cada um, uma prefeitura de capital.

Leia ainda:

O mapa do poder no país após o segundo turno

Como se dividem os partidos no comando das cidades brasileiras

Veja que partidos administrarão as maiores cidades brasileiras

Veja quem são os novos prefeitos das capitais brasileiras

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!