Conheça melhor os 40 concorrentes do prêmio

SENADORES

Aloizio Mercadante (PT-SP)
Nasceu em Santos (SP) em 1954. Economista formado na USP, com mestrado pela Unicamp, é professor licenciado da PUC de São Paulo. Participou da fundação do PT em 1980 e hoje é um dos principais líderes do partido. Foi eleito deputado federal duas vezes, em 1990 e 1998. Em 1994, foi candidato a vice-presidente na chapa de Lula. Em 2002, elegeu-se senador com a maior votação individual já obtida por um político em eleições no estado: mais de 10 milhões de votos. Foi líder do governo no Senado até abril, tornando-se nesse período um dos principais porta-vozes da administração Lula no Parlamento. Tem mais quatro anos de mandato como senador.

Alvaro Dias (PSDB-PR)
Natural de Quatá (SP), tem 62 anos. Formado em História pela Universidade Estadual de Londrina (PR), em 1968 foi eleito vereador de Londrina, onde foi líder do então MDB. Deputado estadual de 1971 a 1975, foi eleito deputado federal em 1975, permanecendo no cargo até 1983. Governou o Paraná entre 1987 e 1991. Chegou ao Senado nas eleições de 1998 e conseguiu a reeleição este ano. Na atual legislatura, destacou-se na apuração dos escândalos envolvendo o governo Lula, o PT e partidos aliados. Atual líder da oposição no Senado, foi reeleito em outubro para mais oito anos de mandato.

Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA)
Nasceu em Salvador (BA), em 1927. Médico, foi eleito, pela UDN, deputado estadual em 1954 e deputado federal em 1958 e 1962. Pela Arena, durante o regime militar, elegeu-se deputado federal em 1966 e foi nomeado prefeito de Salvador (1967) e governador da Bahia (1971 e 1979). No PFL, foi eleito governador pelo voto direto em 1990 e senador, em 1994 e 2002. Uma das principais lideranças nacionais do seu partido, foi ministro das Comunicações durante o governo José Sarney (1985-1989) e presidente do Senado. Tem mandato até o início de 2011.

Arthur Virgílio (PSDB-AM)
Natural de Manaus (AM), tem 61 anos. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, seguiu a princípio carreira diplomática, na qual chegou ao posto de conselheiro. Depois, deixou o Itamaraty para se dedicar à política. Foi deputado federal pelo Amazonas e prefeito de Manaus. Entre novembro de 2001 e abril de 2002, foi ministro do governo Fernando Henrique, no qual comandou a Secretaria Geral da Presidência da República. Líder do PSDB no Senado, está na linha de frente da oposição ao governo Lula. Reconhecido como um dos melhores oradores do Congresso, tem mais quatro anos de mandato.

Delcídio Amaral (PT-MS)
Natural de Corumbá (MS), tem 51 anos. Engenheiro eletricista, assumiu a secretaria executiva do Ministério das Minas e Energia em março de 1994, durante o governo Itamar Franco. Foi ministro da pasta entre setembro de 1994 e janeiro de 1995. Em 2002, elegeu-se senador pelo PT, na primeira disputa eleitoral de que participou. Foi líder do partido no Senado entre fevereiro de 2005 e fevereiro de 2006. Mas foi como presidente da CPI dos Correios que ele se destacou nacionalmente. Tem mandato de senador até 2011.

Eduardo Suplicy (PT-SP)
Nasceu em São Paulo, em 1941. Formou-se em Administração pela FGV, instituição na qual depois lecionou; doutorou-se em Economia pela Michigan State University e fez pós-doutorado na universidade de Stanford, também nos EUA. Um dos fundadores do PT, elegeu-se pelo partido deputado federal (1982), vereador (1988) e senador (1990, 1998 e 2006). Foi o autor do pedido de criação das CPIs do Orçamento e do Collor, que resultou no impeachment do então presidente, em 1992. Escreveu vários livros sobre economia, com diversas propostas para desenvolver o país e reduzir as desigualdades sociais. Uma delas, o programa de renda mínima, inspirou políticas compensatórias adotadas por FHC, depois ampliadas e consolidadas no Bolsa Família de Lula. 

Heloísa Helena (Psol-AL)
Natural do município de Pão de Açúcar (AL), tem 44 anos e é formada em Enfermagem. Professora licenciada de Epidemiologia na Universidade Federal de Alagoas, encerra no início de 2007 o mandato de senadora. Iniciou a militância política em 1992 no movimento estudantil. Foi vice-prefeita de Maceió. Chegou ao Senado em 1998 como a primeira senadora eleita por seu estado. Nos debates no Congresso, destaca-se pelo combate às desigualdades sociais e à corrupção e pela ênfase nas áreas de saúde, educação e reforma agrária. Era filiada ao PT, mas foi expulsa da legenda em 2003 por votar contra matérias de interesse do governo Lula. No ano seguinte, fundou o Psol, pelo qual se candidatou à Presidência da República este ano.

Jefferson Péres (PDT-AM)
Nasceu em Manaus (AM) em 1932. Advogado, Jefferson é filiado ao PDT desde 1999. Foi vereador por duas vezes (1988 e 1992). Em 1994, elegeu-se senador para exercer o mandato de 1995 a 2003, pelo PSDB. Já no PDT, foi reeleito em 2002 para mais oito anos. Conhecido pela defesa da ética na política, atua com independência em relação ao governo e aos dois principais partidos de oposição (PSDB e PFL). Sua pregação parlamentar inclui a defesa da modernização da economia, da moralização da administração pública e, com especial ênfase, da justiça social. Neste ano, foi candidato a vice-presidente da República na chapa do também senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

José Agripino Maia (PFL-RN)
Natural de Mossoró (RN), é engenheiro civil e tem 61 anos. Foi prefeito de Natal (RN) entre 1979 e 1982, governou o estado entre 1983 e 1986 e entre 1991 e 1994. Assumiu o primeiro mandato de senador em 1987. No mesmo ano, foi indicado vice-líder do PFL na Assembléia Constituinte. Foi eleito senador novamente em 1994, e reelegeu-se em 2002. É o atual líder do PFL no Senado, função que exerce desde 2001. Um dos principais críticos do governo Lula no Congresso, é reconhecido por suas habilidades como orador e articulador político.

José Jorge (PFL-PE)
Nasceu em Recife (PE) em 1944. Formado em Engenharia Mecânica e em Economia, tem pós-graduação em Estatística pela Universidade de Madri. Elegeu-se deputado federal por quatro mandatos sucessivos, a partir de 1982, e senador, em 1998. Foi candidato a vice-presidente da República na chapa do tucano Geraldo Alckmin. Professor da Universidade Federal de Pernambuco, foi secretário de estado por duas vezes, relator do Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) e ministro de Minas e Energia do governo Fernando Henrique (2001/2002). Foi líder da oposição ao governo Lula no Senado até maio deste ano. Na atual legislatura, destacou-se como relator da reforma do Judiciário.

José Sarney (PMDB-AP)
Natural de Pinheiro (MA), tem 76 anos. É advogado, formado pela Faculdade de Direito do Maranhão. Foi deputado federal entre 1955 e 1966, governou o Maranhão entre 1966 e 1971, assumindo em seguida seu primeiro mandato como senador. Permaneceu no Senado até 1985, quando renunciou para assumir a vice-presidência da República. Com a doença e morte (em abril daquele ano) de Tancredo Neves, eleito presidente no colégio eleitoral, Sarney assumiu a Presidência da República e nela permaneceu até 1990. No mesmo ano, elegeu-se senador e conseguiu a reeleição em 1998 e em 2006. Ex-presidente do Senado, destaca-se no trabalho de bastidores. Aliado de Lula desde a campanha eleitoral de 2002, também é escritor, atividade que o levou a conquistar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras.

Osmar Dias (PDT-PR)
Nasceu em Quatá (SP), em 1952. É engenheiro agrônomo e produtor rural. Irmão do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), que também está entre os concorrentes do Prêmio Congresso em Foco, começou sua carreira política no Senado, assumindo seu primeiro mandato em 1994 e conseguindo a reeleição em 2002. Defensor dos interesses da agricultura e crítico do governo Lula, foi derrotado neste ano pelo governador Roberto Requião (PMDB), na disputa pelo governo paranaense, com uma diferença de apenas 10 mil votos. É o atual líder do PDT no Senado. Tem mais quatro anos de mandato.

Pedro Simon (PMDB-RS)
Natural de Caxias do Sul (RS), 76 anos, formou-se em Direito e fez pós-graduação em Economia Política na PUC de Porto Alegre. Especializou-se em Economia Política e Direito Penal pela Universidade de Paris, em Sorbonne, e também fez estudos na área penal na Universidade de Roma. Elegeu-se vereador em 1960, deputado estadual em 1962 e senador em 1978, 1990, 1998 e 2006. Foi ministro da Agricultura, durante o governo Sarney (entre 1985 e 1986), e governou seu estado de 1987 a 1990. Parlamentar independente, ao longo dos últimos anos traçou uma trajetória própria, distante das alas oposicionista e governista do PMDB. Também é considerado um dos melhores oradores do Congresso.

Renan Calheiros (PMDB-AL)
Natural de Murici (AL), é advogado e tem 51 anos. Fez parte da base de apoio de Fernando Collor e é hoje um dos principais aliados do presidente Lula no Congresso. Ex-ministro da Justiça (no governo Fernando Henrique), foi um dos principais responsáveis pelo Estatuto do Desarmamento. Elegeu-se senador por Alagoas em 1994 e foi reeleito em 2002. Atual presidente do Senado, deverá ser candidato a um novo mandato no cargo, na eleição que se realizará em fevereiro de 2007. É reconhecido por sua habilidade política. Nas eleições deste ano, foi cabo eleitoral do governador eleito, o senador tucano Téo Vilela Filho, ao mesmo tempo em que apoiou a candidatura de Lula para a Presidência da República.

Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Nascido em Fortaleza (CE), é empresário e completará 58 anos em 15 de dezembro. Em sua primeira eleição, em 1986, derrotou as forças políticas tradicionais de seu estado e elegeu-se governador, permanecendo no cargo entre 1987 e 1991. Venceu as eleições de 1994, assumindo novamente o governo do Ceará. Foi reeleito para o cargo em 1998 e chegou ao Senado em 2002. Foi um dos fundadores do PSDB e é o atual presidente nacional do partido. Um dos mais ácidos críticos do governo Lula, mantém aliança regional com um dos principais aliados do presidente petista, o ex-ministro e deputado federal eleito Ciro Gomes (PSB-CE). No Senado, destaca-se pela defesa da estabilidade econômica, do estímulo ao crescimento e da ética na administração pública.

DEPUTADOS

Alberto Goldman (PSDB-SP)
Nasceu em São Paulo em 1937. Formou-se em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Em 2006, elegeu-se vice-governador de São Paulo pelo PSDB, na chapa do também tucano José Serra, após seis mandatos como deputado federal, quatro deles consecutivos. Exerceu mandato na Câmara entre 1979 e 1987 e depois a partir de 1991 até agora. Foi ministro dos Transportes do governo Itamar Franco entre outubro de 1992 e dezembro de 1993. Já foi filiado ao PMDB e ao PCB e, até pouco tempo atrás, era líder do PSDB na Câmara. Uma das principais vozes da oposição na atual legislatura, é considerado um articulador hábil.

Aldo Rebelo (PCdoB-SP)
Jornalista, tem 50 anos. Alagoano, foi eleito deputado federal pelo estado de São Paulo pelo PCdoB, partido no qual milita desde a década de 1970. Ex-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), preside atualmente a Câmara dos Deputados. Foi ministro das Relações Institucionais do governo Lula até julho de 2005. Pertencente a um partido minoritário no Congresso, Aldo chegou à presidência da Câmara graças à forte proximidade com o presidente Lula, que apoiou sua candidatura, e ao bom relacionamento que mantém tanto com a maioria dos líderes do Parlamento quanto com os deputados menos conhecidos, os integrantes do chamado baixo clero. Em 2006, elegeu-se para o quinto mandato de deputado federal.

Arlindo Chinaglia (PT-SP)
Natural de Serra Azul (SP), é médico, formado pela Universidade de Brasília, com especialização em Saúde Pública, e tem 58 anos. Já foi por diversas vezes vereador e deputado estadual. Elegeu-se deputado federal em 1994, 1998, 2002 e em 2006. Foi secretário na gestão de Marta Suplicy na Prefeitura de São Paulo, entre janeiro de 2001 e janeiro de 2002. Atual líder do governo na Câmara dos Deputados.

Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ)
Nasceu em Curitiba (PR) em 1942. É advogado, professor universitário e foi procurador-geral do Ministério Público do Rio de Janeiro por três mandatos. Atuou na condenação dos banqueiros do jogo do bicho e na desarticulação da quadrilha que fraudava a Previdência Social. Atualmente, é presidente da CPI dos Sanguessugas. Exerceu como suplente o mandato de deputado federal entre 1999 e 2000 e conseguiu se eleger em 2002. Não teve votos suficientes para se reeleger este ano.

Beto Albuquerque (PSB-RS)
Natural de Passo Fundo, tem 43 anos. É formado em Direito pela Universidade de Passo Fundo, onde iniciou sua militância política, presidindo o Diretório Central de Estudantes. Foi deputado estadual no Rio Grande do Sul de 1991 a 1998. Em 1999, tomou posse como deputado federal. Licenciou-se do mandato entre janeiro de 1999 e abril de 2002 para assumir o cargo de secretário dos Transportes do governo Olívio Dutra. Reelegeu-se deputado federal em 2002 e em 2006. É um dos principais líderes da base de Lula no Congresso.

Cezar Schirmer (PMDB-RS)
Nasceu em Santa Maria (RS) em 1952. É advogado e professor universitário. Foi deputado estadual entre 1991 e 1995 e é deputado federal desde 1998. Já foi secretário da Fazenda do Grande do Sul (1987), secretário extraordinário para assuntos da Casa Civil (1989) e secretário da Agricultura e do Abastecimento do Rio Grande do Sul (1995-1998). Destacou-se na atual legislatura ao oferecer parecer em favor da cassação do ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP), condenado pelo Conselho de Ética da Casa e depois absolvido pelo Plenário. Candidato à reeleição neste ano, não conquistou um novo mandato.

Chico Alencar (Psol-RJ)
Nasceu no Rio de Janeiro em 1949 e é historiador. Líder comunitário, presidiu a Federação das Associações de Moradores do Estado do Rio de Janeiro (Famerj). Foi vereador no Rio entre 1989 e 1997. Em 1998, elegeu-se deputado estadual pelo PT. Saiu do partido em 2005, filiando-se ao Psol. É um dos mais ativos membros do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Em seu primeiro mandato como deputado federal, Chico Alencar também se destacou pelos dotes de orador e pela presença constante nos debates do Congresso. Reelegeu-se para um segundo mandato neste ano.

Delfim Netto (PMDB-SP)
Natural de São Paulo (SP), está com 78 anos. Foi ministro da Fazenda (1967 a 1974), da Agricultura (1979) e do Planejamento (1979 a 1985). Elegeu-se cinco vezes deputado federal, feito que não repetiu nas eleições de 2006. Em 2005, trocou o PP pelo PMDB. Professor emérito da Universidade de São Paulo (USP) e um dos mais influentes economistas brasileiros, Delfim é autor de vários livros e estudos. Pelo seu preparo intelectual e pelo jeito claro com que expõe suas idéias sobre temas complicados, ele se tornou um dos parlamentares “formadores de opinião” no Congresso. Desde a campanha eleitoral de 2002, é aliado de Lula e do PT.

Denise Frossard (MD-RJ)
Natural de Carangola (MG), 56 anos, é formada em Direito pela PUC-Rio. Juíza de direito aposentada, Frossard ganhou notoriedade ao condenar, em 1993, 14 bicheiros que comandavam o crime organizado no Rio. Em 2002, conquistou o primeiro mandato ao ser eleita, pelo PSDB, a deputada federal mais votada do Rio de Janeiro. Foi escolhida pelo PPS para fazer parte da CPI dos Correios, onde teve atuação destacada nas audiências públicas. Nas últimas eleições, perdeu a disputa para o governo do estado no segundo turno, com 32% dos votos. É professora de Direito Penal em cursos de pós-graduação da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio.

Eduardo Campos (PSB-PE)
Nascido no Recife (PE) há 41 anos, é neto do ex-deputado e ex-governador Miguel Arraes, falecido em agosto de 2005 com 88 anos. Foi no curso de Economia da Universidade Federal de Pernambuco que começou sua militância política, tornando-se presidente do diretório acadêmico da faculdade. Trabalhando com Arraes, foi secretário estadual de Ciência e Tecnologia, do Governo e da Fazenda. Em 2003, tomou posse como ministro de Ciência e Tecnologia. Dois anos mais tarde, tornou-se presidente nacional do PSB. Herdeiro da força política do avô, Eduardo Campos se elegeu governador em 2006, além de ajudar a mãe, Ana Arraes, a conquistar um mandato de deputada federal.

Fernando Gabeira (PV-RJ)
Mineiro de Juiz de Fora, tem 65 anos. Preso e exilado, durante a ditadura militar viveu dez anos fora do Brasil, ao qual só retornou em 1979, com a anistia. De volta, continuou trabalhando como jornalista e escreveu vários livros. Em 1994, foi eleito deputado federal pelo PV, reelegendo-se em 1998. Em 2002, no PT, conquistou novo mandato. Voltou ao PV em 2005. Na atual legislatura, destacou-se pelo combate à corrupção. Foi o principal responsável pela criação da CPI dos Sanguessugas, da qual é um dos membros mais atuantes. Também é conhecido pela preocupação com a política internacional e pela defesa da ecologia e dos direitos das mulheres, dos homossexuais, das prostitutas e dos usuários de drogas consideradas leves, como a maconha. Reelegeu-se em 2006 com quase 300 mil votos, a maior votação para deputado federal no Rio de Janeiro nas últimas eleições.

Gustavo Fruet (PSDB-PR)
Natural de Curitiba (PR), 43 anos, é filho do ex-prefeito da cidade Maurício Fruet. É advogado, mestre e doutor em Direito. Em 1986, foi eleito vereador da capital paranaense pelo PMDB, partido do qual se desligou em 2004 para entrar no PSDB. Conseguiu seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados em 1999. Assumiu a candidatura do pai, que faleceu poucos dias antes da eleição. Foi um dos sub-relatores da CPI dos Correios, onde conquistou o respeito até mesmo de parlamentares governistas pela conduta técnica que imprimiu ao seu trabalho. No último pleito, foi o deputado federal mais votado em seu estado, com mais de 210 mil votos.

Henrique Fontana (PT-RS)
Natural de Porto Alegre (RS), é formado em Administração e Medicina. Tem 46 anos. Filiou-se ao PT em 1982. Foi vereador e secretário de Saúde da capital gaúcha. Elegeu-se deputado federal em 1998, quando atuou como vice-líder do partido. No segundo mandato, em 2003, presidiu a CPI dos Planos de Saúde. Em agosto de 2005, foi eleito líder do PT na Câmara e reeleito no ano seguinte. Nas últimas eleições, ganhou o direito a permanecer na Casa por mais quatro anos. Bom orador, Fontana se destacou na atual legislatura pelo desempenho em debates parlamentares e pelo papel que exerceu como líder partidário.
 
José Carlos Aleluia (PFL-BA)
Baiano de Salvador, 59 anos, é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal da Bahia, da qual foi professor até 1990. Presidiu a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) entre 1986 e 1989, durante o governo Sarney. Foi um dos principais colaboradores do então deputado Luiz Eduardo Magalhães (filho do senador Antonio Carlos Magalhães, já falecido) na operação da sólida base parlamentar que apoiou o governo Fernando Henrique. Está no quinto mandato de deputado e se reelegeu em 2006. Ex-presidente das comissões de Orçamento e Constituição e Justiça, Aleluia é o atual líder da minoria na Câmara. Também tem a reputação de ser um dos melhores oradores da Casa.

José Eduardo Cardozo (PT-SP)
Professor da PUC de São Paulo, 46 anos, paulistano. Mestre em Direito, é advogado e procurador do município de São Paulo desde 1982. Sempre no PT, foi vereador e presidente da Câmara Municipal de São Paulo. Cardozo também é autor de livros de Direito e participou da equipe da ex-prefeita paulistana Luiza Erundina (ex-petista, hoje no PSB). Elegeu-se deputado federal pela primeira vez em 2002. Foi sub-relator de contratos na CPI dos Correios, encarregando-se da apuração de irregularidades nas relações contratuais entre a estatal e prestadoras de serviços.

Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP)
Natural de São Paulo, 58 anos, é advogado formado pela USP e membro da Academia Brasileira de Direito Criminal. Fez parte do MDB e é um dos fundadores do PT, legenda da qual já foi vice-presidente nacional. Na década de 1970, atuou na defesa de presos políticos, religiosos e sindicalistas do ABC paulista. De 1990 a 1991, foi vice-prefeito de São Paulo, na gestão de Luiza Erundina (ex-petista, hoje deputada federal pelo PSB). Atualmente, preside a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Depois de cumprir quatro mandatos na Casa, não conseguiu se reeleger nas últimas eleições.

Michel Temer (PMDB-SP)
Nasceu em Tietê (SP), tem 66 anos, e é advogado e professor de Direito Constitucional na PUC-SP, mesma instituição em que fez doutorado em Direito. Em São Paulo, foi procurador-geral do Estado e secretário de Segurança Pública, nos governos Franco Montoro e Fleury Filho. Assumiu o mandato de deputado federal pela primeira vez em 1987. Nas últimas eleições, conquistou o direito de exercer o sexto mandato consecutivo, de 2007 a 2011. Atual presidente nacional do PMDB, presidiu a Câmara dos Deputados de 1997 a 2000.  

Miro Teixeira (PDT-RJ)
Natural do Rio de Janeiro (RJ), 61 anos, é advogado e jornalista. Conquistou nas eleições de 2006 seu nono mandato de deputado federal, cargo que exerce desde 1971. Filiado ao então MDB (que deu origem ao PMDB) desde 1966, filiou-se ao PDT em 1989. Após uma breve passagem pelo PPS e pelo PT entre 2004 e 2005, voltou ao PDT. Foi ministro das Comunicações no início do governo Lula de 1º de janeiro de 2003 a 23 de janeiro de 2004. Na Câmara, foi líder do PDT, líder do governo Lula (2004) e vice-líder do PT (2005). É reconhecido pelo conhecimento que possui das normas regimentais do Congresso, pela boa oratória e pela habilidade na articulação política.

Perpétua Almeida (PC do B-AC)
Nascida em Porto Walter (AC), completará 42 anos em 28 de dezembro. Já trabalhou como professora e diretora de escola, mas foi como bancária que se destacou em seu estado: presidiu o Sindicato dos Bancários do Acre. Tem formação superior incompleta. Iniciou os cursos de Letras, Ciências Sociais e Pedagogia. É filiada ao PCdoB desde 1987. Foi vereadora de Rio Branco de 2001 a 2002. Nas eleições de 2006, reelegeu-se, na condição de deputada federal mais votada do Acre.

Rafael Guerra (PSDB-MG)
Mineiro de Belo Horizonte, 63 anos, é médico. Após 30 anos de exercício da medicina, em 1995 tornou-se secretário estadual de Saúde de Minas Gerais, no governo do tucano Eduardo Azeredo. Exerceu o cargo até 1998, quando conquistou seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. Como secretário, ganhou destaque pela melhora dos indicadores estaduais de saúde e por iniciativas pioneiras, como os consórcios de saúde, que incentivavam a união de municípios da mesma microrregião para enfrentar problemas comuns. Reeleito em 2002 e em 2006, é filiado ao PSDB desde 1988. É o presidente da Frente Parlamentar da Saúde. 

Renato Casagrande (PSB-ES)
Natural de Castelo (ES), tem 46 anos de idade. Engenheiro florestal, foi vice-governador do Espírito Santo na gestão do então petista Victor Buaiz (1995-1998), em cujo governo também foi secretário estadual de Agricultura. Deputado de primeiro mandato, liderou a bancada do PSB e foi um dos líderes da base governista na Câmara. Nas últimas eleições, ganhou uma vaga no Senado Federal com mais de 1 milhão de votos.

Roberto Freire (MD-PE)
Pernambucano nascido em Recife (PE), tem 64 anos. Foi advogado sindical e procurador do Incra. Militou no Partido Comunista Brasileiro (PCB) ainda na clandestinidade. Em 1989, disputou a Presidência da República pelo PCB, após a volta do “Partidão” à legalidade. Como outros comunistas impedidos de se apresentar como tal, era filiado ao MDB durante a ditadura militar. Em 1992, ajudou a fundar o PPS, partido que recentemente se fundiu ao PHS e ao PMN, formando a Mobilização Democrática (MD), da qual Freire é o presidente nacional. No Congresso desde 1979, ele exerce o quinto mandato de deputado federal. Também foi senador entre 1995 e 2003. Nas últimas eleições, conquistou a suplência do Senado, na chapa do ex-governador Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE). Foi líder do governo Itamar Franco no Congresso entre 1992 e 1994.

Rodrigo Maia (PFL-RJ)
Nasceu em Santiago, no Chile, e mudou-se para o Rio de Janeiro aos três anos de idade. Filho do prefeito do Rio de Janeiro, o também pefelista César Maia, fez Economia na Faculdade Cândido Mendes, mas não concluiu o curso. Exerceu a função de analista financeiro nos bancos BMG e Icatu. Entre 1997 e 1998, foi secretário municipal de Governo durante a gestão do pai na Prefeitura do Rio. Está no segundo mandato consecutivo de deputado federal. Reelegeu-se neste ano com mais de 235 mil votos (terceira maior votação do estado). Líder do PFL na Câmara, é um dos principais nomes da oposição no Congresso e uma das apostas dos caciques pefelistas para renovar o partido e recuperar o espaço que a legenda perdeu nos últimos anos (em 2006, elegeu apenas um governador e teve queda expressiva na composição da Câmara).

Sérgio Miranda (PDT-MG)
Natural de Belém (PA), 59 anos, tem o curso superior incompleto de Matemática. Antes de completá-lo, foi expulso em 1969 da Universidade Federal do Ceará, onde buscava sua graduação, por força de um dos mais combatidos instrumentos legais da ditadura militar, o Decreto-Lei 477. Desenvolveu sua carreira política em Minas Gerais. Professor, cumpre o quarto mandato consecutivo de deputado federal. Integrou o PCdoB de 1985 a 2005, quando se filiou ao PDT, insatisfeito com o apoio dado por seu antigo partido ao governo Lula. É considerado um dos maiores especialistas em previdência e orçamento no Congresso. Nas eleições de 2006, teve mais votos do que no pleito de 2002, mas não o suficiente para atingir o coeficiente partidário que poderia assegurar sua reeleição.

Sigmaringa Seixas (PT-DF)
Nascido em Niterói (RJ), 62 anos, foi advogado de presos políticos durante a ditadura militar. Deputado constituinte pelo PMDB (1987-1991), também exerceu mandato de deputado federal pelo PSDB (de 1991 a 1995), quando foi vice-líder tucano. Em 1997, filiou-se ao PT, pelo qual se elegeu para a Câmara dos Deputados em 2002. Nas eleições de 2006, não conseguiu a reeleição. Parlamentar com atuação voltada principalmente para as articulações de bastidores, tem bom relacionamento tanto no governo quanto na oposição. É conhecido pelo estilo franco com que dialoga com seus interlocutores e pela repulsa ao vale-tudo na disputa pelo poder.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!