O Globo: ‘confissão’ de Lula sobre mensalão é registrada em livro

Jornalistas uruguaios relatam encontros do ex-presidente com o colega uruguaio José Mujica. Apesar da “confissão” de Lula, diz a publicação, Mujica “sempre afirmou que Lula não é corrupto, mas que o Brasil vive na corrupção”

Um livro publicado no Uruguai sobre os cinco anos do governo José Mujica (2010-2015), segundo relatos do próprio mandatário, revela que o ex-presidente Lula lhe teria feito uma “confissão” sobre o esquema de compra de votos urdido em seu primeiro mandato e conhecido como mensalão. Escrito pelos jornalistas uruguaios Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, Uma ovelha negra no poder narra encontros entre Lula e Mujica e, em um registro inédito, traz a afirmação – feita pelo brasileiro, mas reportada por Mujica – de que o mensalão seria “a única forma de governar o Brasil”.

“Lula não é um corrupto como [Fernando] Collor de Mello e outros ex-presidentes brasileiros. Mas viveu esse episódio [do mensalão] com angústia e um pouco de culpa”, diz trecho do livro, que reúne cem horas de entrevista concedida por Mujica aos autores, jornalistas da revista Búsqueda. A publicação ainda não tem data de lançamento no Brasil.

Segundo o jornal O Globo, em reportagem assinada por Cristina Tardáguila, a “confissão” de Lula foi feita em 2010, em Brasília. Na ocasião, Lula teria dito literalmente a Mujica, segundo relatos do ex-chefe de Estado uruguaio: “Neste mundo tive que lidar com muitas coisas imorais, chantagens. Essa era a única forma de governar o Brasil”. Segundo Mujica, seu ex-vice-presidente, Danilo Astori, testemunhou as declarações de Lula.

O livro registra ainda a admiração de Mujica por Lula, “um baixinho bárbaro”. “Mujica sempre viu Lula como uma espécie de padrinho. Sempre pensou que o Uruguai deveria seguir o rumo do Brasil, que é o grande protagonista da região. Mujica sempre afirmou que Lula não é corrupto, mas que o Brasil vive na corrupção”, disse ao jornal fluminense um dos autores do livro, Andrés Danza.

Ainda de acordo com O Globo, o Instituto Lula foi procurado no fim da tarde de ontem (quinta, 7), mas informou que não teria como recorrer ao ex-presidente e encaminhar uma resposta àquela hora. O instituto apresentou uma questão adicional: que as declarações de Mujica não fossem reproduzidas “parcialmente” pelo jornal, de forma tendenciosa.

Leia trecho do livro:

“Lula teve que enfrentar um dos maiores escândalos da História recente do Brasil: o mensalão, uma mensalidade paga a alguns parlamentares para que aprovassem os projetos mais importantes do Poder Executivo. Compra de votos, um dos mecanismos mais velhos da política. Até José Dirceu, um dos principais assessores de Lula, acabou sendo processado pelo caso.

'Lula não é um corrupto como Collor de Mello e outros ex-presidentes brasileiros', disse-nos Mujica, ao falar do caso. Ele contou, além disso, que Lula viveu todo esse episódio com angústia e com um pouco de culpa. 'Neste mundo tive que lidar com muitas coisas imorais, chantagens', disse Lula, aflito, a Mujica e Astori, semanas antes de eles assumirem o governo do Uruguai. 'Essa era a única forma de governar o Brasil', se justificou. Os dois tinham ido visitá-lo em Brasília, e Lula sentiu a necessidade de esclarecer a situação.”

Leia a íntegra da reportagem

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!