Condenado, Genoino entrega cargo no Ministério da Defesa

Ex-presidente do PT anuncia saída do governo um dia após ter sido condenado por corrupção ativa no processo do mensalão. Em carta, ele diz ser vítima de uma "injustiça monumental" e que petistas viraram alvo de uma "campanha de ódio"

O ex-presidente nacional do PT e ex-deputado José Genoino decidiu entregar o cargo de assessor especial do ministro da Defesa, Celso Amorim, na manhã desta quarta-feira (10). Ele foi condenado ontem por corrupção ativa no processo do mensalão, em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, Genoino anunciou sua saída durante a leitura de uma carta na sede do PT em São Paulo. "Retiro-me do governo com a consciência dos inocentes. Não me envergonho de nada." Ele afirmou ainda que continuará trabalhando para construir "um Brasil melhor, mais justo e soberano".

No pronunciamento que durou cerca de cinco minutos, Genoino afirmou que o Supremo errou ao analisar o seu caso. "Uma injustiça monumental foi cometida! A corte foi, sobretudo, injusta. Condenou um inocente, condenou-me sem provas. Reservo o direito de discutir democraticamente essa decisão", afirmou. Cercado por assessores, ele leu a carta com as mãos trêmulas e foi aplaudido pelos correligionários.

Genoino afirmou que a Corte se baseou na "teoria do domínio funcional do fato". "(Ela) se transformou na tirania da hipótese pré-estabelecida, construiu-se uma acusação escabrosa que pôde prescindir de evidências, testemunhas e provas", afirmou.

"Campanha de ódio"

O ex-presidente do PT disse ainda que sua condenação reflete um desejo de, na verdade, condenar o partido que está sendo alvo de uma "campanha de ódio". "Mas eles fracassarão. O julgamento da população sempre nos favorecerá, pois ela sabe reconhecer quem trabalha por seus justos interesses. Ela também sabe reconhecer a hipocrisia dos moralistas de ocasião", disse.

Segundo a acusação do Ministério Público, Genoino participou de tratativas com empresários e partidos aliados para alimentar o valerioduto, e também foi responsável por ajudar na distribuição do dinheiro. No entanto, sua defesa argumenta que ele não atuava na parte financeira do partido, sua participação se restringia à articulação política.

A reunião na sede do partido em São Paulo estava marcada para discutir os rumos do PT no segundo turno das eleições municipais.

Veja ainda:

Gilmar garante maioria para condenar Genoino

Tudo sobre o mensalão

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!