Companheira de Dilma na prisão será ministra das Mulheres

Pró-reitora de extensão da Universidade Federal de São Paulo, Eleonora Menicucci vai substituir Iriny Lopes no cargo. Ela foi presa política junto com a presidenta na década de 70

A professora e socióloga da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Eleonora Menicucci de Oliveira será a nova ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres. O nome da atual pró-reitora de extensão da Unifesp foi confirmado nesta segunda-feira (6) pelo Palácio do Planalto. Ela vai substituir Iriny Lopes no cargo. A troca de comando sairá na edição de amanhã (7) do Diário Oficial da União (DOU). Eleonora foi companheira de prisão de Dilma, na década de 70, no Presídio Tiradentes, em São Paulo, no que era conhecido como "Torre das Donzelas", espaço onde ficavam as mulheres presas políticas. Na luta contra a ditadura militar, Eleonora militou nas organizações clandestinas Política Operária (Polop) e no Partido Operário Comunista (POC).

Em nota, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou que ela irá substituir a deputada Iriny Lopes, que deixa o cargo “depois de dar relevante contribuição ao Governo”. A presidenta Dilma Rousseff agradeceu a dedicação de Iriny Lopes e desejou sucesso a Eleonora em “suas novas funções à frente da Secretaria responsável por políticas que têm contribuído para melhorar a vida das brasileiras”.

Iriny, que está licenciada do mandato de deputada, volta à Câmara. Sua saída do cargo, entretanto, deve-se às eleições municipais de outubro. A parlamentar é pré-candidata do PT à prefeitura de Vitória (ES).

Pró-reitora de extensão da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a nova ministra é doutora em ciência política pela Universidade de São Paulo e pós-doutora pela Universidade de Milão. Na Unifesp, lidera o Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde da Mulher e Relações de Gênero.

Com informações do Blog do Planalto e da Agência Brasil

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!