Como era o esquema da farra das passagens

Operadores compravam créditos de passagens de parlamentares para depois vender a terceiros ou agências de viagens. Clientes adquiriam bilhetes muitas vezes sem saber da origem

1. No Congresso: operadores de turismo “compravam” créditos de passagens dos deputados com um deságio. Para isso, se valiam de servidores dos gabinetes. A dúvida é se o dinheiro ficava com os funcionários ou com os deputados, ou com ambos.

2. Intermediação: os operadores vendiam os créditos a terceiros ou mesmo a agências de viagens, prometendo viagens mais baratas

3. Nas agências: clientes compravam promoções em agências, muitas vezes sem saber que estavam voando com um bilhete pago também pelos cofres públicos. Foi esse o caso do ministro Gilmar Mendes. Muitos bilhetes aéreos apareciam com um código em que era possível identificar o número do gabinete do deputado usado

Dois deputados são investigado no STF pela farra das passsagens

Mais sobre a farra das passagens

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!