Planalto quer “despejar” militares da Esplanada

Comandos do Exército, da Marinha e da Aeronáutica deveriam ter deixado prédio do Ministério da Defesa ainda no ano passado. Governo cobra espaço para abrigar outras pastas

Enquanto os ministérios alugam prédios inteiros em Brasília por falta de espaço na Esplanada, três edifícios são usados pelas Forças Armadas, resquício dos antigos ministérios do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Em 1999, foi criado o Ministério da Defesa, para coordenar todos os comandos militares, mas até hoje eles ocupam os prédios. A Presidência da República ordenou a saída dos comandos para liberar espaço para novos e antigos ministérios.

Havia a expectativa de que deixassem a Esplanada até o ano passado. Mas isso ainda vai demorar um pouco mais, segundo informou o Ministério da Defesa ao Congresso em Foco. Em agosto deve sair o Comando Militar do Planalto, ligado ao Exército. A sede da força não está mais lá, mas no Setor Militar Urbano.

Já as sedes da Marinha e da Aeronáutica ainda não têm data para saírem da Esplanada, apesar de o processo de transferência estar “em curso”. A Marinha vai ser transferida para terreno ao lado da residência oficial do vice-presidente da República, o Palácio do Jaburu. O Ministério da Defesa diz que a Marinha apenas aguarda autorização para iniciar a construção.

A FAB ainda não sabe onde será sua nova sede. Falta uma decisão da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) sobre qual área será utilizada. “A Força Aérea já possui o projeto arquitetônico das novas instalações”, informou o Ministério da Defesa. O croqui será adaptado à área a ser escolhida pela Secretaria de Planejamento da União (SPU).

Despesas

Diversos órgãos da cúpula da administração federal, sobretudo aqueles criados nos dez anos de governo petista, trocaram a Esplanada por prédios alugados em regiões valorizadas da capital do país.

Sem licitação, como prevê a lei, muitos deles tiveram de deixar o tradicional cartão-postal de Brasília em busca de espaço para abrigar seus funcionários. Em alguns casos, o gasto de cada pasta com esse tipo de despesa passa dos R$ 6 milhões por ano. Ainda assim, segundo os ministérios, sai mais barato alugar do que construir ou comprar novos imóveis.

Da Esplanada “paralela” dos Ministérios, fazem parte as pastas da Pesca, das Cidades e da Integração Nacional e a Secretaria da Aviação Civil, também com status de ministério. As duas primeiras foram parar em edifícios no Setor Bancário e no Setor de Autarquias. A Secretaria de Aviação Civil se prepara para deixar o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e ocupar dois andares num luxuoso prédio comercial ao lado do Parque da Cidade, na Asa Sul.

Os ministérios que alugam prédios fora da Esplanada disseram não ser possível, ao menos agora, usar o dinheiro do aluguel para adquirir um imóvel semelhante, o que seria mais vantajoso para o governo federal.

 

Veja ainda:

Ministérios trocam Esplanada por prédios alugados

A Esplanada "paralela" dos Ministérios

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!