Com quebra de sigilo, Agnelo gera reação de Marconi

PSDB e PPS vão pedir na CPI do Cachoeira que dados sigilosos cheguem até compra de casa em Brasília. Governador de Goiás autorizou acesso às informações

Ao autorizar a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT),  acabou provocando a reação do governador, Marconi Perillo (PSDB). Na tarde desta quarta-feira (13), o tucan0 telefonou para o líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE) autorizando a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira a acessar também seus dados sigilosos. A quebra deverá ainda ser formalizada pelos integrantes da comissão.

CPI vai analisar quebra de sigilos de governadores
Tudo sobre a CPI do Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Agnelo autorizou a quebra dos sigilos pelo período de dez anos, contados retroativamente a partir de hoje. Sua intenção é provar aos parlamentares que não houve irregularidades na compra de uma casa no Lago Sul com mais de 500 metros quadrados em 2007. O imóvel custou R$ 400 mil. O petista disse aos parlamentares hoje que o negócio foi possível pela soma da renda dele e da sua mulher, que é médica aposentada. Em 2006, ele declarou patrimônio de R$ 224 mil. A transação ocorreu depois de ser nomeado diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Para petistas, as explicações de Agnelo foram suficientes. Durante a sessão, Agnelo assinou a autorização para a quebra de sigilo, provocando aplausos de apoiadores. Antes, ele foi pressionado por oposicionistas a assinar um termo concordando com o acesso aos dados. "Se o senhor realmente quer abrir seu sigilo, tem que assinar o documento. Ou amanhã a gente vai votar a quebra do sigilo e isso não é espontâneo", pressionou o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Além de entregar informações sobre a compra do imóvel, o petista acabou provocando uma reação do governador de Goiás. Perillo ligou para o líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE), e autorizou a bancada a pedir a quebra de seu sigilo bancário e telefônico. "O que for feito para um, certamente será feito para o outro. O PSDB apoia a quebra do sigilo e quer votar logo", disse Araújo.

Jogo para a plateia

A atitude de Agnelo não resultou apenas na reação de Perillo. Ela também acabou neutralizando o contra-ataque planejado por integrantes do PSDB e do PPS na CPI, criada para investigar as relações do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados. Eles iam pedir a ampliação da quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do petista para chegar ao período da compra de uma casa no Lago Sul, área nobre da capital.

Parlamentares ouvidos pelo Congresso em Foco dizem que, ao autorizar o acesso aos dados pela CPI, Agnelo jogou para a platéia. Eles argumentam que o governador do DF já teve os sigilos quebrados em investigação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). "O problema é que não sabemos até quando a quebra foi determinada. Por isso, vamos pedir que a quebra chegue à compra da casa", disse o líder do PPS, Rubens Bueno (PR).

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!