Com plenário cheio, aliados abandonam Cunha

Defensores do ex-presidente da Câmara chegam à conclusão de que a pressão das ruas reduziram as chances de absolvição do deputado fluminense. “Não tem mais jeito”, diz Paulinho da Força

Os aliados mais fiéis do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) abandonaram o ex-presidente da Câmara, que está sendo julgado pelo plenário por quebra de decoro parlamentar. Defensor de Cunha até a manhã desta segunda-feira (12), o deputado Paulinho da Força (SDD-SP) disse que “não tem mais jeito” para o parlamentar fluminense.

O deputado Laerte Bessa (PR-DF), que foi um dos mais contundentes defensores de Cunha durante o processo, disse que a pressão das ruas, da imprensa e até das campanhas municipais impediram a vitória da principal estratégica do parlamentar, que era esvaziar o plenário para não dar quórum e arquivar o processo.

A votação final do caso Cunha também criou uma crise na eleição municipal de João Pessoa. O atual prefeito Luciano Cartaxo, candidato à reeleição pelo PSD, exigiu que o seu vice, o deputado Manoel Junior (PMDB-PB), fosse a Brasília para votar pela cassação de Cunha.

Manoel Junior sempre foi um defensor do ex-presidente da Câmara e estava disposto a se ausentar da sessão desta segunda-feira (12). Cartaxo teme queda nas pesquisas com a “contaminação” da sua campanha pela proximidade de Manoel Junior com Cunha.

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre Legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!