Com Imbassahy no ministério, PSDB amplia poder no governo Temer

Secretaria de Governo permanece com as tarefas de articulação política entre o Planalto e o Congresso, mas ganhará novas atribuições. Indicação do tucano para o principal núcleo de decisão política do governo terá um preço

O presidente Michel Temer acertou com a direção do PSDB que a Secretaria de Governo ficará sob o comando do deputado Antônio Imbassahy (BA), líder do partido na Câmara. Se o parlamentar for mesmo confirmado no cargo, os tucanos ganham mais poder e, em troca, o governo amplia sua base de apoio no Congresso. Garante adesão automática de 48 deputados e 12 senadores. Terceira força na Câmara e segunda no Senado.

 

 

O partido já exerce forte influência na política econômica do governo com importantes quadros do partido na equipe econômica do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ele mesmo uma espécie de tucano do PSD. O PSDB tem mais os ministros: Relções Exteriores (senador José Serra), Cidades (deputado Bruno Araújo (PE)) e Justiça com Alexandre de Moraes, ex-secretário de Segurança do governador Geraldo Alckmin.

No Senado, o líder do governo já é o tucano Aloysio Nunes (SP). Com a manobra, o Planalto garante apoio irrestrito de deputados às propostas de ajuste fiscal que continuarão sendo votadas pelo Congresso ao longo de 2017. Todas prometem muita dificuldade, como a  reforma da Previdência e as mudanças nas leis trabalhistas.

O baiano Imbassahy vai substituir Geddel Vieira Lima, do PMDB, seu conterrâneo que deixou o cargo acusado de pressionar o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero para liberar a construção de um edifício em Salvador, em área tombada pelo patrimônio histórico, onde tem imóvel. A pasta que Imbassahy deverá assumir antes da virada do ano ganhará mais poderes e atribuições administrativas, além da articulação política com o Legislativo e outros segmentos políticos da sociedade, como os chamados movimentos sociais. O deputado não confirma nem desmente a informação.

A ida de Imbassahy para o principal núcleo de decisão política do governo terá um preço. Com mais espaço  no Executivo, o PSDB ficaria fora da disputa pela presidência da Câmara, sonho do atual Rodrigo Maia (DEM-RJ), preferido do Planalto para continuar no cargo. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, há alguns dias negociou o apoio do partido a Rodrigo Maia em troca de maior participação dos tucanos no governo. Ex-prefeito de Salvador (1997/2005), Imbassahy é um dos nomes cotados para concorrer à presidencia da Câmara nas eleições internas de fevereiro.

Mais sobre crise na base

Aécio NevesAntônio Imbassahycrise na baseeconomiaGeddel Vieira LimaGeraldo AlckminGoverno TemerHenrique Meirellesmarcelo caleroMichel TemerpicturesprevidênciaPSDBreforma da previdênciaRodrigo Maia