Com humor, vídeo mostra como fazer uma propaganda eleitoral

Luz, câmera, ilusão: a maquiagem dos programas eleitorais na TV abordada com ironia e sarcasmo, no melhor estilo "a vida como ela é"


Vídeo critica posturas artificiais ao escancarar estratégias de marketing político

A cada dois anos, com as eleições majoritárias e proporcionais intercaladas, o roteiro se repete: horário eleitoral gratuito em TV e rádio, estratégias de campanha, equipes de marketing dando arte final ao rascunho, candidatos comendo pastel com populares e beijando crianças carentes. O eleitor pode reagir com indiferença, irritação, descrença. Ou, em via oposta, com entusiasmo, esperança, espírito cooperativo. Mas uma coisa é certa: a ironia e a irreverência afloram em período eleitoral tanto em candidatos quanto em eleitores.

Calejados com a aparição sazonal de tantos pleiteantes “bonzinhos” a cargos eletivos, um grupo de atores e produtores criou um vídeo de pouco mais de três minutos em que a “maquiagem” de candidatos é não só escancarada, como reveladora de um padrão que já levou muita gente às câmaras, assembleias e palácios Brasil afora.

No filmete, o “Candidato” cerra os punhos e descreve as tomadas de câmera que o tornam positivamente dramático. “Enquanto a câmera se aproxima calmamente, eu falo pausado [sic] para que você, eleitor de classe baixa, entenda. No momento em que a câmera fecha em close, eu preparo uma frase de efeito para finalizar o discurso”, declama um jovem bem penteado e vestido, de sorriso ininterrupto. (Confira no vídeo acima, escolado leitor, o que é uma propaganda eleitoral – e teatral – de primeira linha)

A partir daí, treinado leitor-internauta, o que se vê é a parceria entre a inteligência e a criatividade, tudo a serviço das entrelinhas das campanhas eleitorais. No momento clichê das musiquinhas de candidatura, mais galhofa. “Agora é a hora do jingle / Pessoas felizes se dando as mãos / Agora é a hora que eu finjo / Que pra apoiar não ganhei um tostão / Jovens sorrindo, cantando e fazendo sinais com as mãos / Belas imagens de uma cidade antes do refrão”, diz o roteiro em autorreferência.

O arremate do filmete é mais irônico, com notícias sobre um tal “POB” – uma bem humorada referência ao PCO – Partido da Cauda Operária. “Começa agora o programa do Partido do Orçamento Baixo”, narra o locutor, com pronúncia acelerada a inspirar o candidato de olhos arregalados, no melhor estilo do saudoso Enéas Carneiro (1938-2007). Mais uma vez, uma ironia com a situação daqueles que não podem pagar para fazer uma campanha cara, mas muitas vezes meramente teatral.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!