PF faz buscas nas casas de Collor e Ciro Nogueira

Além deles, o deputado federal Eduardo da Fonte também foi alvo de uma ação de busca e apreensão da Operação Politeia, primeiro desdobramento da Lava Jato no âmbito do STF

A Polícia Federal (PF) iniciou na manhã desta terça-feira (14) a operação Politeia, o primeiro grande desdobramento da Operação Lava Jato no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF).  Segundo informações da PF e da Procuradoria Geral da República (PGR), estão sendo cumpridos 53 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, Bahia, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Alagoas e Santa Catarina.

A força-tarefa faz buscas nas casas do senador Fernando Collor (PTB-AL), tanto em Brasília, quanto em Maceió, e na residência do senador Ciro Nogueira (PP-PI) em Brasília. Nogueira é o atual presidente nacional do PP. Os policiais também estão em busca de documentos na casa do deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) e na sede da TV Gazeta de Alagoas, afiliada da Rede Globo, emissora da qual o ex-presidente da República é sócio.

Dos políticos, Collor é o que detém as maiores implicações.  O doleiro Alberto Youssef disse, em delação premiada, ter feitos “vários depósitos” para o ex-presidente da República. Segundo o doleiro, os depósitos, feitos em espécie, totalizaram R$ 50 mil. Os comprovantes já foram auditados pela PF. Todos os depósitos foram do “Posto da Torre”, gerido por Habib Charter, aliado de Yousseff. Já Ciro Nogueira e Eduardo da Fonte também foram apontados como beneficiários de repasses do esquema da Petrobras.

O dono da UTC, Ricardo Pessoa, afirmou ter pago R$ 20 milhões à Collor como forma de propina. O presidente do PP teria recebido R$ 2 milhões também de Pessoa.

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pelos ministros do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski nas investigações em curso no STF relacionadas à Operação Lava Jato. As buscas são cumpridas nas residências dos investigados, em seus endereços funcionais, em escritórios de advocacia e nas sedes das empresas a eles vinculadas.

“As medidas são necessárias ao esclarecimento dos fatos investigados no âmbito do STF, sendo que algumas se destinaram a garantir a apreensão de bens adquiridos com possível prática criminosa e outras a resguardar provas relevantes que poderiam ser destruídas caso não fossem apreendidas”, explica o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Segundo Janot, as medidas ora executadas refletem uma atuação firme e responsável do Ministério Público Federal em busca dos esclarecimentos dos fatos.

Mais informações sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!