Collor diz que Janot usa investigações da Lava Jato para ‘autopromoção’

Em discurso duro na tribuna do Senado, o ex-presidente afirmou que vazamentos de inquérito que tramita contra ele na Procuradoria-Geral da República são fruto de campanha pró-Janot

O senador Fernando Collor (PTB-AL) voltou a rebater em plenário, nesta quarta-feira (5), as acusações de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Collor disse que os investigadores eram integrantes de uma ‘alcateia’ e que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, estaria utilizando a investigação contra o ex-presidente como “autopromoção”.

Nesta quarta-feira, o jornal Folha de S. Paulo revelou que um grupo ligado a Collor recebeu R$ 26 milhões em propina do esquema de corrupção da Petrobras entre 2010 e 2014. As informações tomam como base o inquérito que tramita contra o senador no Supremo Tribunal Federal (STF). As investigações apontam que assessores do Senado, colaboradores e empresas em atividade e de fachada atuavam, junto ao senador, para efetuar os repasses em contratos celebrados entre a Petrobras Distribuidora e a DVBR Derivados do Brasil.

Nesta quarta-feira, Collor voltou a negar envolvimento no esquema de desvios de recursos da Petrobras e disse que é vítima de vazamentos seletivos. “Vazamentos que ninguém sabe de onde vem”, ressaltou o senador.

Ele também assinalou que é alvo de uma “sórdida estratégia promovida pela procuradoria Geral da República” visando a recondução de Janot ao cargo máximo da instituição. “É preciso que todos, parlamentares, mídia e população abram os olhos para muitos dos aspectos nebulosos que estão por trás destas investigações”, afirmou. “Utilizam-se do meu nome, utilizam-se da minha imagem, utilizam-se dos meus bens para se autopromover”.

Collor finalizou dizendo que se sente “humilhado” por uma “alcatéia que se apoderou do Ministério Público Federal”. “Mas tenho certeza que tudo a seu tempo e hora será esclarecido. A verdade virá a tona”, finalizou. No discurso, Collor assinalou que o Senado precisa ter responsabilidade no processo de escolha do novo procurador-geral da República, já convocando a Casa a endurecer uma eventual recondução de Janot ao cargo.

Nesta quarta-feira, inclusive, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) faz a escolha da lista tríplice que será encaminhada à presidente Dilma Rousseff no processo de escolha do novo procurador-geral. Janot é candidato e, dentro do MPF, é tida como certa sua recondução ao cargo.

De acordo com a força-tarefa da Operação Lava Jato, representantes do senador seguiam uma “cartilha” para maquiar o esquema com várias transações financeiras e depósitos fracionados para, assim, não chamar a atenção dos órgãos de controle. No entanto, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou operações suspeitas que somaram R$ 798 mil nas contas pessoais de Collor. Os depósitos realizados entre 2011 e 2013 teriam sido feitos pelo doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Lava Jato.

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!