Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Clima ruim na base governista adia votação da DRU

Em dia de discussão de queda do ministro, com quorum baixo na Câmara, líderes governistas decidem deixar análise para 8 de novembro

As brigas na base governista e a queda do ministro do Esporte, Orlando Silva, adiaram a votação da proposta de emenda à Constituição que prorroga a Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 31 de dezembro de 2015. Os fatores que dificultam a aprovação da prorrogação da DRU são a demora na liberação das emendas parlamentares ao orçamento, o clima de disputa regional por conta da discussão dos royalties do petróleo na camada pré-sal, o quorum baixo já pela proximidade do feriado da semana que vem, e a crise política com a queda de Orlando Silva. Inicialmente, a ideia era analisar hoje o texto-base, deixando possíveis destaques para o dia 8 de novembro. Agora, ficará tudo para essa próxima data.

"Estamos esperando votar em um clima mais favorável", reconheceu o relator da PEC na comissão especial, Odair Cunha (PT-MG). Um dos vice-líderes do governo na Câmara, o petista defendeu o adiamento. Neste momento, aproximadamente 400 parlamentares estão em plenário. Para aprovar a PEC, são necessários pelo menos 308 votos favoráveis. A avaliação é que, caso fosse a voto hoje, a proposta acabaria derrubada.

O motivo principal é a relutância da presidenta Dilma Rousseff em liberar emendas parlamentares. Governistas reclamam de não ser atendidos pelo Palácio do Planalto. Por conta da crise econômica internacional, o governo federal já cortou aproximadamente R$ 60 bilhões do orçamento deste ano. Os maiores atingidos são os congressistas e suas emendas. Um governista ouvido pelo Congresso em Foco resumiu: "A base está desanimada, sem motivação".

Junto com a dificuldade nas emendas, vem a discussão dos royalties do petróleo na camada pré-sal. Deputados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo ameaçam trancar a pauta de votações caso o projeto seja votado da maneira que foi aprovado pelo Senado. Também pesa contra a DRU as recentes denúncias contra o ministro do Esporte, Orlando Silva, que acabou deixando o cargo. O PCdoB, partido do ministro, está irritado com o fato de que muitas das denúncias contra o Ministério do Esporte terem partido de investigações da Controladoria Geral da União.

Da bancada comunista, uma emenda à DRU tira o sono do governo. Elaborada pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), ela prevê a proibição do uso da desvinculação nos recursos destinados à saúde. A proposta tem apoio da bancada da área.

Até agora, Jandira não apresentou oficialmente a emenda. Porém, pelo menos um deputado já apresentou requerimento pedindo a retirada de assinatura: Eudes Xavier (PT-CE). Antes de entrar em plenário, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), disse que a votação da DRU seria ainda negociada. Após iniciar a sessão que deve votar a Medida Provisória 540/11, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), e Odair Cunha subiram à tribuna para falar com o colega petista.

A intenção foi informar que o governo não quer a votação da PEC da DRU hoje. Os líderes da base pretendem ter a proposta pronta para sanção presidencial até 26 de novembro. Deixando para o dia 8, sobram pouco mais de duas semanas para o Senado analisar. Lá, ela deverá passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e depois ir à plenário. Os senadores também analisam uma PEC, de autoria do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que prorroga a desvinculação até 31 de dezembro de 2015, da maneira que o governo quer.

Leia também:

Comissão especial aprova prorrogação da DRU
Estudo técnico é trunfo governista no caso da DRU
Governo tem dificuldades para aprovar a DRU

Continuar lendo