Chegada de Lula pode tirar Tombini do Banco Central, diz jornal

Divergências sobre a política econômica defendida por Lula seriam os principais motivos da saída do presidente do BC. Petista defende redução forçada da taxa de juros e a venda de reservas internacionais. Tombini é contra

A chegada do ex-presidente Lula ao primeiro escalão do governo Dilma Rousseff deve provocar mudanças na condução da política econômica brasileiras e pode culminar com a saída do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. A mudança porém, depende se Lula vai ou não assumir um ministério no governo, como está previsto ainda para esta semana, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo.

Ainda segundo apuração da Folha, Tombini tem afirmado que não seguirá no comando do Banco Central se o governo optar por alterar a política econômica e retomar o modelo de crescimento usado por Lula em seus dois mandatos, que passa por reduzir a taxa de juros de maneira forçada e vender parte das reservar internacionais brasileiras.

Além da insatisfação de Tombini, também há, no Palácio do Planalto, certa desconfiança sobre o seu trabalho. Segundo a Folha apurou, os governistas acreditam que Tombini não estaria adotando as medidas corretas para evitar uma recessão profunda no país.

Lula

O ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff estão reunidos desde as 8h30 desta quarta-feira (16) no Palácio da Alvorada para discutir a nomeação do petista como novo ministro de Estado. Os dois ainda definem que cargo o ex-presidente assumirá: se a Secretaria de Governo, hoje ocupada por Ricardo Berzoini, ou se a Casa Civil, comandada por Jaques Wagner. A expectativa é que o anúncio seja feito nesta tarde.

Mais sobre Lula

Mais sobre Dilma

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!