Chefe de gabinete de Argôlo nega ter recebido R$ 120 mil de doleiro

Primeira testemunha ouvida no processo contra o deputado Luiz Argôlo, Bezerra disse que não conhece Alberto Youssef e que não sabe se o parlamentar conhece o doleiro.

Em depoimento no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, o chefe de gabinete do deputado Luiz Argôlo (SD-BA), Vanilton Bezerra, negou nesta terça-feira (5) ter recebido dinheiro do doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal (PF) para desbaratar esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões. Ele disse aceitar a quebra de seus sigilos bancário, fiscal e telefônico.

Na operação, a PF detectou mensagens trocadas entre o doleiro e o deputado Luiz Argôlo sobre a transferência de R$ 120 mil para a conta de Bezerra. No Conselho de Ética, Argôlo responde a um processo que pode culminar na perda do mandato.

Primeira testemunha ouvida no processo contra Argôlo, Bezerra disse ainda que não conhece Youssef e que não sabe se o parlamentar conhece o doleiro.

O Conselho de Ética não tem poder para pedir judicialmente a quebra de sigilos. Com isso, Bezerra teria que fazer isso espontaneamente. De acordo com o relator do caso, deputado Marcos Rogério (PDT-RO), Bezerra se comprometeu a entregar cópia de extratos de todas as suas contas bancárias.

Outras duas testemunhas chamadas a depor hoje, Júlio Lima Filho (comerciante de gado) e Leonardo Meirelles (sócio do laboratório Labogen), não compareceram à reunião.

 

Mais sobre a Operação Lava Jato

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!