CCJ do Senado rejeita convite a Tuma Junior

Ex-secretário nacional de Justiça faz novas acusações contra petistas em livro recém-lançado. Para governistas, caso não é de responsabilidade do Senado. Oposição quer esclarecimento da denúncia

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado rejeitou nesta quarta-feira (11) convite ao ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Junior para esclarecer as recentes denúncias feitas contra petistas. Em livro recém-lançado, Tuma Junior disse ter encontrado uma conta relacionada ao mensalão em um paraíso fiscal. Afirmou também que o assassinato do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel estava ligado a um esquema de corrupção.

O convite foi apresentado pelo PSDB no Senado após Tuma Junior ser entrevistado pela revista Veja. À semanal, o ex-secretário antecipou partes do conteúdo do livro Assassinato de reputações – um crime de Estado. Deixou o governo Lula em 2010 após a revelação de gravações telefônicas da Polícia Federal que apontavam ligações entre ele e o chinês Li Kwok Kwen.

"Todos os dias se lançam livros. Foi lançado livro da privataria tucana, foi lançado livro de toda a ordem. Se a gente criar uma praxe aqui de, cada vez que alguém lançar um livro, fazer um requerimento para trazer para esta Casa, eu creio que é melhor a gente parar com o papel adequado deste Parlamento", disse o líder do PT no Senado, Welington Dias (PI), durante a sessão.

Já o líder do governo na Casa, Eduardo Braga (PMDB-AM), acrescentou que as denúncias devem ser apuradas por outros órgãos, como o Ministério Público e a Polícia Federal. "Que ele vá à polícia, que ele vá ao Ministério Público, que ele vá aos órgãos de comando e controle e fiscalização. Mas aqui no Senado, dar palco a uma pessoa que premeditadamente se coloca dessa forma?", afirmou.

Para os tucanos, as denúncias também devem ser analisadas pelo Senado. O líder do partido, Aloysio Nunes Ferreira (SP), acrescentou que a Polícia Federal aceitou documento apócrifo no caso do trensalão. "É um documento assinado, é um livro. Ele dá o nome dos agentes federais que participaram dos complôs. O que nós pretendemos é o esclarecimentos dessas denúncias", comentou.

Leia mais sobre as eleições de 2014

Nosso jornalismo precisa de sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!