Cassado, Delcídio diz que Renan fez “manobra típica do gangsterismo”

Depois de delatar Renan, ex-petista reclama da celeridade com que a votação de seu processo transcorreu de um dia para o outro. Foi “manobra traiçoeira, típica do gangsterismo que intimida pessoas e ameaça instituições”, diz em nota

Cassado por 74 votos a zero em plenário, o senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) divulgou nota nesta terça-feira (10) reclamando da celeridade com que a votação de seu processo por quebra de decoro parlamentar transcorreu de ontem (segunda, 9) para hoje, com a convocação de duas reuniões da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) – uma delas no próprio plenário – para votar o parecer. Segundo Delcídio, trata-se de uma manobra do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para atingi-lo, com objetivos não declarados. Como este site mostrou ontem, Renan condicionou a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, marcado para esta quarta-feira (11), à conclusão do caso Delcídio, alvo e delator da Operação Lava Jato. O detalhe é que, em sua delação premiada, o ex-líder do governo cita Renan como um dos beneficiários do esquema de pagamento de propina descoberto pela Polícia Federal em contratos de empreiteiras com a Petrobras.

Por meio de nota escrita a quatro mãos com o advogado Antonio Augusto Figueiredo Basto, Delcídio – que mais cedo não foi ao Senado se defender em plenário diante dos colegas – diz que o cacique peemedebista quer o seu silêncio e, por isso, agiu em “retaliação vil” depois da delação. Para Delcídio, foi uma “manobra traiçoeira, típica do gangsterismo que intimida pessoas e ameaça instituições”. Ainda segundo o ex-líder do governo no Senado, Renan se valeu da condição de presidente da instituição para pôr em campo “o espírito revanchista de quem se julga acima da lei e do Direito”.

Ontem (segunda, 9), Renan ficou irritado com a decisão da CCJ de prorrogar o prazo para que o parlamentar enviasse ao colegiado mais um documento produzido pelo Ministério Público Federal que serviria como peça de sua defesa. A postura do presidente do Senado foi mais um sintoma da crise política que envolve Câmara, Senado e a Presidência da República em meio a um processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A intenção de Renan desde a semana passada era votar o julgamento do senador Delcídio antes da definição do afastamento de Dilma.

“A maneira açodada com que se precipitou a sessão de cassação do mandato de Delcídio do Amaral, com atropelo de ritos e supressão de garantias, reflete uma retaliação vil à sua condição de colaborador da Justiça. A manobra para alterar o que fora inicialmente deliberado revela a preocupação de quem pretende manter-se nas sombras da impunidade e esconder o aditamento recentemente oferecido pela Procuradoria-Geral da República perante o Supremo Tribunal Federal. A tentativa de emudecer Delcídio Amaral e esconder o já mencionado aditamento será objeto de pronta representação contra o Senador Renan Calheiros, por obstruir o procedimento e constranger a Casa legislativa”, diz outro trecho da nota.

“Comédia de fantoches”

O ex-senador explicou por que preferiu não ir ao Senado fazer presencialmente a própria defesa. “Ainda em tempo, cabe esclarecer que a defesa constituída repele a nomeação de defensor ad hoc e não se fez presente à sessão para não compactuar com as arbitrariedades dessa comédia de fantoches, protagonizada pelo autoritarismo de quem se encastela no poder de ameaça e intimidação”, explica o senador.

Com a decisão do Senado, Delcídio é automaticamente enquadrado na Lei da Ficha Limpa e, consequentemente, torna-se inelegível pelos próximos oito anos. Além disso, agora que perdeu o direito a foro privilegiado, deverá passar a ser julgado na Lava Jato em primeira instância da Justiça, no âmbito da jurisdição do juiz federal Sérgio Moro.

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre Delcídio do Amaral

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!