Casos de deputados envolvidos com Cachoeira têm relatores

Comissão de sindicância definiu na noite desta quarta-feira os parlamentares que vão analisar a situação de Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), Rubens Otoni (PT-GO) e Sandes Júnior (PP-GO)

A comissão de sindicância criada pela Corregedoria da Câmara indicou, na noite desta quarta-feira (11), os relatores das representações dos deputados acusados de envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Eles terão 45 dias úteis, renováveis por mesmo período, para apresentar um relatório que pode resultar em um processo por quebra de decoro parlamentar.

Veja outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Dos cinco membros indicados para compor a comissão, três foram sorteados. Evandro Milhomem (PCdo-AP) vai relatar o processo contra o deputado Rubens Otoni (PT-GO). Maurício Quintella Lessa (PR-MG) será o responsável pelo parecer do caso envolvendo Sandes Júnior (PP-GO). Já Jerônimo Goergen (PP-RS) foi o indicado para analisar a situação de Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO).

Os outros dois membros da comissão são o corregedor da Câmara, Eduardo da Fonte (PP-PE), e o deputado Odair Cunha (PT-MG). De acordo com o pepista, os três deputados alvos de representação foram notificados hoje da investigação. Rubens Otoni, inclusive, já apresentou defesa negando qualquer envolvimento ilícito com o bicheiro. Caso Milhomen considere necessário, Otoni pode apresentar uma nova argumentação.

Até o momento, não existem representações na Corregedoria pedindo a investigação dos deputados Jovair Arantes (PTB-GO) e Stepan Nercessian (PPS-RJ), também citados como envolvidos com Cachoeira. Segundo Eduardo da Fonte, todos os novos casos que forem apresentados serão analisados pela comissão de sindicância. "O objetivo da comissão é dar celeridade aos processos", afirmou.

Durante o período de investigação, o relator pode pedir oitivas, depoimentos e produção de provas. Após os 45 dias úteis, ele vai apresentar um relatório recomendando ou não um processo por quebra de decoro no Conselho de Ética. O parecer, primeiro, será analisado pelo colegiado para depois ser enviado à Mesa Diretora. É o órgão representativo da Câmara que decide se os casos serão levados ao Conselho.

Um terço dos Conselhos de Ética na mira do STF
Parlamentares não chegam a acordo sobre CPI do Cachoeira
Conheça o Congresso em Foco

Continuar lendo