Caso Banco Safra: processo parado por falta de dinheiro

Processo com mais de 3.500 páginas está parado porque faltam recursos para lojistas pagarem um novo trabalho de perícia judicial. Há 18 ações em andamento envolvendo o banco e família Gobbo

O volumoso processo de 3.500 páginas que tramita na 3ª Vara Cível de Campinas (SP) e que inclui um depoimento de uma ex-gerente da instituição apontando uma fraude cometida pelo Banco Safra está parado. Depois de tramitar por quase seis anos, o problema do questionamento de dívidas entre banqueiros e lojistas não é solucionado por outro problema de dinheiro. É preciso que a família Gobbo, dona de uma rede de lojas em Campinas, pague os honorários de outra perícia judicial no caso. São necessários R$ 10.920,83 para pagar serviços já prestados pela economista e perita judicial Marlene Braz Pinto Nogueira. Depois que o valor for pago, ela deverá prestar novos esclarecimentos sobre questões levantadas pelo banco e pelos lojistas.

Lojistas acusam Banco Safra de aplicar golpe

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

O valor tem que ser pago rapidamente pela família Gobbo. Se não, o processo pode ser julgado sem informações necessárias. Sem dados que deem segurança ao magistrado, o caso pode ser arquivado por ele. “Intime-se o requerente para depósito dos honorários periciais, no prazo de dez dias”, ordenou o juiz Ricardo Hoffman, em despacho no mês passado.

Como revelou ontem o Congresso em Foco, uma família de lojistas de Campinas trava uma batalha na Justiça contra o Safra. Empréstimos que antecipavam vendas feitas no cartão de crédito pela loja eram baseados em contratos assinados em branco. Depois, por ordem da Justiça, como depôs uma ex-gerente da instituição financeira, os documentos eram assinados com data retroativa. A surpresa vinha aí: as taxas cobradas eram o dobro do valor combinado com o cliente, segundo a acusação.

Mais processos

Além desse processo, os Gobbo movem mais dez ações pedindo revisão de cláusulas de contratos. O banco também processa os empresários pedindo a execução da dívida e tenta tomar seus bens com mandados de busca e apreensão.

Também houve a abertura de um inquérito no 13ª Distrito Policial de Campinas. Mas o caso acabou sendo arquivado pelo Ministério Público, por razões desconhecidas.

Veja abaixo a lista com 18 ações em andamento.

OS PROCESSOS CONTRA O SAFRA E OS GOBBO

Quem contra quem Tipo de ação Vara Processo
Safra x Calçados Gobbo Busca e apreensão 114.01.2007.067985-0
Calçados Gobbo x Safra Embargos à execução 114.01.2008.014711-5
Mocamp x Safra Embargos à execução 114.01.2007.072947-0
Safra x 3 G Execução incompetência 602.01.2007.017047-0
Safra x Calçados Gobbo Execução 114.01.2007.054347-1
Safra x Mocamp Execução 114.01.2007.054348-4
Safra x Carlos Alberto Gobbo Execução 114.01.2007.036494-0
Mocamp x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046426-2
3 G x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.045874-8
C.W x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046427-5
B.G.D. x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046007-0
Gobbo x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046006-7
Calçados Gobbo x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046425-0
Carlos Gobbo x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046776-4
Nilsa N. Gobbo x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046777-7
Carlos Alberto Gobbo x Safra Ordinária revisional 114.01.2006.046778-0
Carlos Eduardo Gobbo x Safra Ordinária revisional 10ª 114.01.2006.046780-1
Carlos Augusto Gobbo x Safra Ordinária revisional 10ª 114.01.2006.046779-2

Os processos correm no Fórum de Campinas. Fonte: Família Gobbo e Tribunal de Justiça de São Paulo.

Lojistas acusam Banco Safra de aplicar golpe

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!