Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Carlesse e Vicentinho disputarão governo do Tocantins em segundo turno. Votação será 24 de junho

 

O governador interino do Tocantins, Mauro Carlesse (PHS), disputará com o senador licenciado Vicentinho Alves (PR) quem comandará o estado até 31 de dezembro. Respectivamente com cerca de 30% e 22% dos votos válidos, com 98% das urnas apuradas, eles foram os candidatos mais votados na eleição suplementar realizada neste domingo (3) em razão da cassação do mandato de Marcelo Miranda (MDB) e de sua vice, Cláudia Lélis (PV), por arrecadação ilícita de recursos na campanha de 2014 (leia mais abaixo). Eles perderam o mandato em 22 de março.

Segundo a mais recente atualização do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), o número de abstenções registrou recorde. Mais de 300 mil eleitores deixaram de registrar seus votos, um percentual equivalente ao número de votos obtidos por Carlesse.

Com quase todas as urnas apuradas e sem chance de reversão do resultado, a definição dos postulantes na segunda fase de votação, marcada para 24 de junho, foi confirmada pelo TRE-TO. Carlesse e Vicentinho disputaram o primeiro turno com outros cinco candidatos: Carlos Amastha (PSB); Katia Abreu (PDT), senadora licenciada; Marcos de Souza Costa (PRTB); Márlon Reis (Rede), idealizador da Lei da Ficha Limpa; e Mário Lúcio Avelar (Psol), que concorreu em caráter sub judice devido a pendências na Justiça Eleitoral.

<< Tocantins terá eleição de novo governador neste domingo; 20 municípios escolherão prefeitos

Tanto Carlesse quanto Vicentinho, uma vez eleito governador, pode tentar a reeleição em outubro, quando o pais terá eleições gerais. Ambos estão autorizados pela Justiça Eleitoral a reiniciar suas respectivas campanhas já a partir desta segunda-feira (4). Segundo a legislação vigente, passeatas, carreatas, comícios, uso de carros de som e distribuição de santinhos, entre outros atos de campanha, são permitidos dentro do prazo definido.

Mais cedo, o TRE-TO informou em boletim que até às 10h deste domingo três ocorrências foram registradas pelo Comitê de Segurança Institucional, uma delas tendo resultado em prisão por suspeita de boca de urna no município de Dois irmãos (28ª Zona Eleitoral de Miranorte). As demais ocorrências seriam comunicadas no transcorrer do dia, acrescentou o tribunal eleitoral.

 

 

Segundo o portal G1, Mauro Carlesse acompanhou a apuração dos votos no município de Gurupi. "Eu fico muito satisfeito de estar no segundo turno e nós vamos trabalhar. Vamos juntar todo mundo e ganhar também este segundo turno, com fé em Deus. E que a população, pela estabilidade do estado, continue esse governo que está dando certo", declarou o governador interino, depois de receber a notícia que iria para o segundo turno.

Vicentinho Alves (PR) aguardou o resultado da votação em Porto Nacional, onde tem residência. "Primeiro agradecer a Deus e a todos que me confiaram. Os líderes políticos, o povo. Foi um segundo lugar muito bem trabalhado por nós. Uma campanha muito rápida para poder chegar com essa votação expressiva. Registro os meus agradecimentos", disse o senador licenciado.

Caso Miranda-Lélis

O processo contra o ex-governador Marcelo Miranda e sua vice foi iniciado após a apreensão de R$ 500 mil em espécie em um avião na cidade de Piracanjuba (GO). A bordo, a polícia encontrou milhares de santinhos da campanha de Miranda.

No ano passado, o atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, havia pedido mais tempo para analisar o caso. A então relatora da ação, ministra Luciana Lóssio, havia votado contra a cassação, mas foi voto vencido. Na retomada do julgamento, por 4 votos a 3, os ministros do TSE decidiram pelo cumprimento imediato da medida, mesmo que a defesa dos políticos ainda pudesse recorrer contra a decisão.

Os políticos foram acusados pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) de abuso de poder econômico no pleito estadual passado. Ambos contraíram, segundo a denúncia, empréstimo fictício de R$ 1,5 milhão feito pelo irmão de Miranda, mas os recursos foram destinados a abastecer caixa dois da campanha eleitoral do governador.

 

<< Dois ex-governadores de Tocantins são alvos de operação da PF

Continuar lendo