Cardozo: “Só na ditadura não se admitia receber advogados”

Ministro da Justiça diz que apenas cumpriu a lei ao receber advogados de empreiteiras investigadas na Lava Jato. Segundo ele, só quem tem "pensamento ditatorial" não aceita receber defensores de acusados

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, negou ter omitido de sua agenda oficial na internet encontros com advogados de empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Cardozo disse que “só na ditadura não se admite” que um ministro receba advogados.

Segundo ele, nem todos os seus compromissos foram registrados na agenda oficial devido a problemas técnicos no sistema de informática do Ministério da Justiça. Sem citar o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, que pediu sua demissão, Cardozo afirmou que só “pessoas que ainda têm o pensamento ditatorial” se espantam com o fato de um ministro receber advogados.

“Que país seria esse em que o ministro da Justiça se recusasse a receber advogados? Há juízes que não recebem. Desrespeitam a lei”, disse. Durante sua passagem pelo Supremo, Joaquim teve embates, inclusive com outros ministros, por não aceitar receber advogados.

Em mensagem publicada ontem em seu Twitter, o ex-ministro do STF reiterou sua crítica a Cardozo. “Os que recorrem à política para resolver problemas na esfera judicial não buscam a Justiça. Buscam corrompê-la. É tão simples assim”, escreveu Joaquim.

Na entrevista à repórter Cátia Seabra, Cardozo disse ter recebido advogados da Odebrecht para tratar das investigações da Lava Jato. “Foi realizada dentro do estrito rigor formal. A empresa me narrou que dentro de seu ver haveria duas irregularidades em fatos relacionados à operação. Pedi que formalizassem através de representações. A empresa protocolou formalmente”, declarou o petista à Folha.

Líderes da oposição anunciaram que vão entrar com representação para que o ministro se explique na Comissão de Ética da Presidência da República e compareça a comissões do Senado e da Câmara para esclarecer por que os encontros não constavam de sua agenda divulgada na internet, bem como os assuntos tratados nas conversas com os advogados.

Leia a íntegra da entrevista na Folha

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!