Cansaço do piloto foi decisivo na queda do avião de Eduardo Campos

Presidenciável e mais seis pessoas morreram em agosto do ano passado, após queda da aeronave em Santos

Relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (cenipa) afirma que o acidente aéreo que vitimou o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República em 2014, Eduardo Campos (PSB), e mais seis pessoas em agosto do ano passado foi provocado, em grande parte, pelo cansaço do piloto, Marcos Martins.  A informação foi publicada no jornal O Estado de S. Paulo.

A fadiga do piloto foi detectada no tom de voz dele, em comunicação com a torre de comando. Além disso, Marcos Martins havia relatado em redes sociais estar "cansadaço". A investigação, realizada nos últimos 17 meses, detectou outras falhas, como um "atalho" que o piloto se valeu para chegar mais rápido à Base Aérea de Santos (SP); e a falta de treinamento específico dos pilotos para  a aeronave Cessna 560 XL.

Três meses após o desastre, a Aeronáutica emitiu recomendação de segurança à Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) sobre aquele modelo de avião.
A investigação ainda detectou que a relação do piloto com o copiloto, Geraldo Magela Barbosa, não era boa.Este chegou a pedir, inclusive, para não voar mais com Marcos Martins.

O relatório será apresentado nesta terça-feira (19), às 13h aos familiares das vítimas e, em seguida, às 15h30, será divulgado à imprensa.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!