Canonização de Irmã Dulce terá ministros, parlamentares e primeiras-damas. Veja a comitiva

A cerimônia de canonização da Irmã Dulce, marcada para o próximo domingo (13) no Vaticano, contará com a presença de diversas autoridades brasileiras. A comitiva tem quase 40 nomes e embarcou nesta quinta-feira (10) para Roma sob o comando do vice-presidente Hamilton Mourão, que é o ministro-chefe da delegação brasileira. Confira quem mais foi a Roma:

> Alcolumbre passa uma semana afastado do Congresso por motivos religiosos

Além de Mourão, integram a comitiva oficial que representará o governo brasileiro no Vaticano o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP); o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli; o procurador-geral da República, Augusto Aras; o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; o embaixador do Brasil na Santa Sé, Henrique Sardinha Pinto; o prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto (ACM Neto); e o ex-senador José Sarney.

Os nomes estão em decreto publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (10). Assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; o decreto informa que também integram a comitiva, mas sem ônus para os cofres públicos, as esposas de Mourão, Alcolumbre, Maia, Aras e do embaixador Sardinha Pinto. A primeira-dama de Goiás, Maria das Graças Caiado, também embarcou para Roma. O retorno está previsto para a próxima segunda-feira (14).

A lista de representantes brasileiros, contudo, também conta com mais de 20 parlamentares. Integram a comitiva oficial de Rodrigo Maia, por exemplo, os deputados André Fufuca (PP-MA) e Célio Studart (PV-CE), além do secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy.

A Câmara ainda autorizou que participassem dessa missão internacional os deputados Elmar Nascimento (DEM/BA), José Rocha (PL/BA), Daniel Almeida (PCdoB/BA), Adolfo Viana (PSDB/BA), Arthur Oliveira Maia (DEM/BA), Eduardo da Fonte (PP/BA), Flávio Nogueira (PDT/PI), Leur Lomanto Júnior (DEM/BA), Nelson Pellegrino (PT/BA) e Paulo Azi (DEM/BA). O deputado Augusto Coutinho (Solidariedade-PE) também vai a Roma, mas a convite do presidente do Congresso, Davi Alcolumbre.

O Senado também permitiu que fossem para Roma em missão parlamentar os senadores Jaques Wagner (PT-BA), Angelo Coronel (PSD-BA), José Serra (PSDB-SP), Weverton (PDT-MA), Roberto Rocha (PSDB-MA), Elmano Férrer (PODEMOS-PI) e Ciro Nogueira (PP-PI). Chico Rodrigues (DEM-RR) também participará da canonização de Irmã Dulce, mas informou que está viajando por conta própria.

Segundo o regimento da Câmara, os deputados que viajam em missões oficiais têm direito a uma diária de US$ 428 quando vão à Europa. Já o presidente pode receber uma diária de US$ 550. Os senadores também têm direito a passagens e diárias quando embarcam em viagens oficiais. Os presidentes Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre informaram, por sua vez, que não gerarão custo ao Congresso e que ficarão hospedados na Embaixada do Brasil em Roma junto com a comitiva de Mourão. Maia ainda vai aproveitar a viagem para participar da Reunião do Comitê Executivo da Internacional Democrata do Centro (IDC-CDI), no Senado italiano, nesta sexta-feira (11).

> Entre agora no Catarse para colaborar com o jornalismo independente

Augusto ArascomitivaDavi Alcolumbredias toffolihamilton mourãoIrmã DulceRodrigo MaiaVaticano