Caminhoneiros: pedido de vista adia votação

Deputados contrários às mudanças na lei tentaram derrubar a votação. Relator apresentou parecer nesta terça-feira com novas regras. Uma aumenta de quatro para seis horas o tempo de direção

Um pedido de vista adiou nesta terça-feira (18) a votação da proposta que modifica a Lei do Caminhoneiro. Deputados contrários ao relatório apresentado hoje na comissão para tratar do tema conseguiram deixar a votação inicialmente para amanhã. O texto aumenta para seis horas o período de trabalho e conta o tempo de espera como descanso.

De acordo com o deputado César Colnago (PSDB-ES), um dos integrantes da comissão, há uma divisão no colegiado. De um lado, o tucano e os deputados Hugo Leal (PSC-RJ), Vanderlei Macris (PSDB-SP) e Mauro Lopes (PMDB-MG). Do outro, o presidente Nelson Marquezelli (PTB-SP) e o relator da proposta, Valdir Colatto (PMDB-SC).

"Houve uma negociação para fazer uma revisão. Mas eles foram lá e fizeram outra lei", reclamou Colnago. Ele relatou que o grupo tentou adiar a votação pelo fato de o relatório ter sido apresentado hoje. No entanto, por ser minoria, a proposta continou na pauta. A solução foi pedir vista. O presidente da comissão marcou sessão para debater o texto amanhã.

Um das mudanças mais contestadas é o aumento do tempo de direção. Pela atual lei, os caminhoneiros devem descansar por meia hora a cada quatro trabalhadas. Colatto aumentou o período para seis horas, com a justificativa de que a medida causava prejuízo aos empresários. Também acrescentou que o tempo que o motorista estiver parado esperando por fiscalização contará como descanso.

Mais sobre a Lei dos Caminhoneiros

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!