Câmara pode votar reforma política no fim do mês

Após integrantes do MCCE entregarem um projeto tratando do tema, Henrique Eduardo Alves se comprometeu a entregar proposta para o grupo de trabalho. Votação depende da retirada de urgências da pauta

A Câmara pode votar uma proposta de reforma política, com a possibilidade de valer para 2014, entre os dias 23 e 27 de setembro. A apoiadores do projeto Eleições Limpas, que entregaram a proposta de iniciativa popular sobre o tema, o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), condicionou a votação à retirada da urgência constitucional de duas propostas que trancam a pauta atualmente.

De acordo com os deputados Henrique Fontana (PT-RS) e Chico Alencar (Psol-RJ), que participaram da reunião com Henrique Alves e os integrantes das entidades, como Confederência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), o texto pode ser votado no fim de setembro. Para isso acontecer, é preciso ter acordo com os líderes e a pauta livre de urgências constitucionais.

Dois projetos trancam a pauta atualmente: o que trata do novo Código de Mineração e o que concede isenção a hospitais vinculados às Santas Casas. "Sem a mobilização não vai acontecer [a votação]", disse Chico Alencar. De acordo com o deputado do Psol, Henrique Alves vai levar a proposta ao grupo de trabalho responsável por analisar o tema na Câmara. E puxará a discussão na reunião de líderes da próxima semana.

"Não é fácil. Com vontade política nada é impossível", disse o presidente da Câmara. Entre as propostas estabelecidas no projeto das entidades está o financiamento público de campanha, a limitação de doações por pessoas físicas, o segundo turno nas eleições proporcionais. O texto, que conta com a assinatura de 130 deputados, começou a tramitar hoje na Câmara.

Outros textos sobre a reforma política

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!