Câmara instala comissão especial do impeachment

Deputados vão definir composição do colegiado que vai analisar o pedido de impedimento de Dilma nesta segunda-feira. Na terça, Conselho de Ética volta a discutir futuro de Cunha

As decisões na Câmara dos Deputados já começarão a ser tomadas nesta segunda-feira (7), um procedimento bem atípico no Congresso. Os líderes partidários da Casa terão de indicar, até as 14 horas, os deputados que farão parte da comissão especial que analisará o pedido de abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Após aceitar o pedido de impeachment dos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), determinou que, após as indicações, haverá sessão plenária às 18 horas para confirmar a formação do colegiado. Em seguida, os integrantes se reunirão para eleger, em votação secreta, o presidente e o relator. Esse último redigirá o parecer sobre a denúncia que pode acarretar o impedimento da presidente.

Todos os partidos que ocupam cadeiras na Câmara devem ser representados no colegiado. O número de representantes varia de acordo com a proporcionalidade da bancada, mas todas devem possuir no mínimo um integrante. Como o PT é o mais numeroso da Casa, com 69 deputados, haverá oito petistas na comissão. Dois deles já estão definidos. A legenda divulgou nota afirmando que o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PE), e o líder do partido, Sibá Machado (AC), serão titulares.

Correligionários de Cunha, o principal algoz de Dilma no Legislativo, estão em mesmo número. O PMDB será representado por oito deputados. Já o PSDB contará com seis congressistas no colegiado. 

Na terça-feira (8), é a vez de o presidente da Câmara voltar a ser alvo. Na quarta passada (2), a discussão e a deliberação do Conselho de Ética da Câmara sobre o parecer preliminar pela admissibilidade da representação contra Cunha, que pede a perda do mandato do peemedebista por quebra de decoro parlamentar, foram adiadas pela quarta vez. O colegiado deverá decidir sobre o futuro do deputado nesta semana.

Plenários

A pauta do plenário da Câmara ainda está trancada pelo Projeto de Lei 3.123/15, do poder Executivo, que regulamenta o teto salarial do funcionalismo público. O substitutivo descaracteriza o proposto pelo governo. Pelo texto que será apreciado primeiro, os servidores poderão receber até mais que o dobro do atual teto, que é de R$ 33,7 mil, ou seja, mais de R$ 67,5 mil.

Já os senadores deverão deliberar sobre a Medida Provisória 691/15, que versa sobre a administração, a alienação, a transferência de gestão de imóveis da União e seu uso para a constituição de fundos. O texto, que já foi aprovado pela Câmara, permite que terrenos da Marinha sejam comercializados como propriedade privada. Ainda institui que o montante arrecadado com as vendas deve ser destinado ao Programa de Administração Patrimonial da União (Proap).

Mais sobre impeachment

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre Truco no Congresso

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!