Câmara é injustiçada por se expor, diz Henrique Alves

Considerado favorito para presidir a Casa, peemedebista fez discurso para agradar os colegas deputados. Defendeu orçamento impositivo, análise dos vetos e distribuição mais proporcional das relatorias das medidas provisórias

O deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), considerado o candidato favorito à presidência da Câmara, afirmou nesta segunda-feira (4) que a Casa é a "mais injustiçada" entre todos os poderes da República. Em discurso apelando para temas sensíveis aos deputados, ele defendeu o orçamento impositivo, a análise de vetos presidenciais e uma distribuição mais proporcional das relatorias das medidas provisórias.

Saiba mais sobre os candidatos à presidência da Câmara

Editorial: a rendição do Congresso ao chiqueiro da política

Leia tudo sobre a eleição da Mesa

Henrique Alves foi o segundo candidato a discursar, logo após a também peemedebista Rose de Freitas (ES). O líder do PMDB disse ser uma "imensa responsabilidade" ser o nome do partido para o cargo. Na Câmara desde 1971, ele está no 11º mandato consecutivo. "Os 42 anos se passaram, me dando essa imensa responsabilidade de me apresentar com orgulho e altivez", disse.

Aplaudido diversas vezes pelos colegas parlamentares, ele citou os partidos que o apoiam oficialmente. Indiretamente, criticou os candidatos avulsos, que apostam nas dissidências para levar a eleição para o segundo turno. "Nenhuma palavra minha é para dizer: traia o seu partido e vote em mim. Eu não quero o voto escondido, não quero o voto por esperteza, não quero o voto por conveniência. Quero o voto da coerência, da palavra, do caráter, da honradez", disparou.

Promessas de candidatos miram o baixo clero

Propostas

Para Henrique Alves, a Câmara é injustiçada. "É por ela se expor, por ela se abrir, por ela ser verdadeira". Entre as propostas, defendeu o orçamento impositivo - "a liberação de emendas faz os deputados se humilharem" - e também a análise dos 3 mil vetos presidenciais. O presidente da Câmara não faz parte da Mesa do Congresso, mas pode negociar com o presidente do Parlamento a votação das negativas presidenciais.

Além disso, criticou a atual cobertura dos veículos de comunicação da Casa. Para ele, a TV Câmara precisa ser "mais Câmara e menos TV". "Não quero ver nunca mais uma foto com o plenário vazio", afirmou. O peemedebista acredita que, por causa de imagens dessa natureza, os deputados ficam com a pecha de não trabalhar. "É preciso mudar esse modelo", disse.

Veja as principais propostas de Henrique Eduardo Alves

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!