Caiado vai denunciar Gleisi Hoffmann por corrupção de testemunha

Segundo o líder do DEM, ao contratar Esther Dweck para trabalhar em seu gabinete, Gleisi “aliciou a testemunha”. A petista nega e diz que ausência de testemunha é prejudicial ao processo

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) vai entrar uma representação no Ministério Público Federal contra a senadora Gleisi Hoffmann por corrupção de testemunha. Segundo o senador, líder do DEM na Casa, ao contratar Esther Dweck para trabalhar em seu gabinete, Gleisi “aliciou a testemunha”.

Durante o segundo dia do julgamento do impeachment, o parlamentar argumentou que a senadora praticou o crime descrito no artigo 343 do Código Penal: “Dar, oferecer ou prometer dinheiro ou qualquer outra vantagem a testemunha, perito, contador, tradutor ou intérprete, para fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade em depoimento, perícia, cálculos, tradução ou interpretação”.

Em defesa da ex-secretária de orçamento federal, Gleisi afirmou que o processo estará prejudicado com ausência de Dweck. “A professora Esther Dweck não está nomeada no meu gabinete, não tem vínculo com o Senado”, defendeu. Disse ainda que requisitou Dweck, que é professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, para “assessorar a Comissão de Assuntos Econômicos em 24 de maio”.

Explicou que “o presidente Renan expediu a solicitação à UFRJ, que publicou esta semana, liberando. Só que o Ministério da Educação ainda não liberou a professora Esther Dueck para fazer a assessoria à Comissão de Assuntos Econômicos”, ressaltando que não há ilegalidade no processo.

Devido ao imbróglio, Esther foi retirada da lista de testemunhas de defesa da presidente afastada Dilma Rousseff, reduzindo o rol de depoentes de seis para cinco pessoas. O primeiro deles, Luiz Gonzaga Belluzo, que depõe neste momento no plenário do Senado.

Mais sobre o impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!