Busca da estabilidade faz crescer o número de mães concurseiras

Mulheres investem na carreira pública visando aumentar a renda e obter um emprego que lhes permita conciliar o tempo de trabalho com a atenção à família

 

Janaína Camelo,

Especial para o SOS Concurseiro/Congresso em Foco

A secretária administrativa Fernanda Lima, de 35 anos, não economiza palavras nem tempo para descrever a vida que leva com o marido, a filha de três anos, o trabalho, as tarefas de casa e com os livros. Ou melhor, com as apostilas. “Depois que a Sofia chegou, pensei mais no futuro. Ela é minha maior motivação. Consigo estudar um pouco no trabalho, quando há oportunidade, mas estudo mesmo é durante a noite, depois que chego em casa e arrumo minha filha pra dormir. De manhã não dá, porque a Sofia não me deixa. A não ser quando ela quer brincar de estudar também”, diz, com um certo tom de entusiasmo. Ela conta ainda que nos finais de semana o marido a ajuda com a rotina de estudos e leva a filha pra passear por algumas horas. Enquanto isso, a secretária tenta recuperar o tempo perdido com as apostilas preparatórias.

Fernanda é mais um dos milhares de estudantes no país que se dedicam diariamente para conquistar uma vaga no setor público e que colocam seus conhecimentos à prova, literalmente. Além disso, ela se enquadra num grupo que vem crescendo entre os que tentam uma melhor colocação através dos concursos públicos: o das mães concurseiras.

Os objetivos são os mesmos de qualquer outro candidato: estabilidade e altos salários. Mas a razão desse sonho é, muitas vezes, diferente da dos demais colegas. No caso, o foco que estimula as mães concurseiras é a possibilidade de organizar melhor o tempo de modo a conciliar trabalho e atenção à família. Para elas, os filhos são o maior incentivo para a dedicação e a disciplina nos estudos. O problema é que enquanto não conseguem o emprego público e estão se preparando para ele, o esforço demandado tornar-se muito maior. “Muitas das mães enfrentam uma tripla jornada. Elas não estão largando o trabalho para estudar - estão conciliando. A pressão é tão grande que, se não houver força ou algum estímulo, é fácil desistir ou sucumbir à frustração. E é aí que entra o papel do filho. Quando essas estudantes percebem que podem esmorecer, é neles que elas buscam estímulo para não desistir do sonho pela estabilidade”, analisa o professor José Wilson Granjeiro, coordenador geral do Gran Cursos.

Busca da estabilidade

Simone Anchises, 25 anos, mãe e concurseira, reforça essa tese. “Depois que se tem filhos, sua necessidade muda, e principalmente seus objetivos na vida. Hoje, eu necessito de estabilidade e já tive experiência na empresa privada, onde não pude contar com essa vantagem que tanto quero”. Simone tem dois filhos, um de sete anos de idade e o caçula, de um ano. Desde quando soube que estava grávida do segundo filho, ela iniciou a batalha com os livros, apostilas e as provas. A rotina da concurseira não é diferente das outras mães que também estudam. É preciso um jogo de cintura para dar conta da casa, dos filhos, dos estudos e ainda dar atenção ao marido. “É bem difícil, mas não impossível. Estudo à noite, depois que ponho as crianças para dormir. Durante o dia, só nos fins de semana, quando meu marido dá uma saidinha com os meninos. Não sigo nenhum cronograma, apenas vou estudando onde vejo que tenho mais dificuldade, dependendo da matéria do concurso. Começo os estudos por volta das nove ou dez da noite, e vou até a hora que minha cabeça aguentar. Ultimamente tenho ido dormir lá pras duas ou três da madrugada”, conta.

Organização

Mesmo com toda a dificuldade para conciliar as diferentes tarefas do dia a dia, é de extrema importância para o desempenho daquela que é concurseira e mãe planejar um bom programa de estudos, afirmam os professores de cursinhos. E a disciplina para cumpri-lo à risca, é fundamental. “O dia das mães concurseiras não é de 24 horas, é de 30 horas. Claro que vão acontecer os imprevistos. E ela sabe que vai se privar de muitas coisas, de festas e de outros eventos sociais”, ressalta Granjeiro.

Mas para muitas mães, quando sobra um tempo entre uma atividade e outra, a prioridade é dos filhos. Hoje, Fernanda, que também é formada em Direito, estuda sozinha. Preferiu deixar as aulas de cursinho para passar mais tempo com a filha. “O que eu tinha que aprender no cursinho, já aprendi. Agora só reforço com os livros e as apostilas”, justifica.

Benefícios

A secretária Fernanda Lima passou um ano estudando para o concurso da Câmara dos Deputados e agora aguarda o resultado. Mesmo assim, não deu trégua para os estudos. O alvo desta vez é o Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A publicação do edital está prevista para o início de 2013. São 110 vagas para candidatos de nível médio e superior, além de formação de cadastro reserva. Os salários iniciais vão de R$ 2.662,06 a R$ 4.367,68.

Apesar dos valores serem considerados bons quando comparados aos salários pagos pelo Executivo, eles estão bem aquém do que é recebido pelos servidores do Legislativo. Os funcionários do Judiciário ainda sofrem com a remuneração defasada. Mas o professor de curso preparatório, Mário Elesbão, especialista em Direito Constitucional, vê importantes vantagens para a mulher e mãe que ocupa um cargo num tribunal. “No Poder Judiciário, a jornada de trabalho funciona em carga horária corrida, o que permite ao funcionário se programar para outras atividades do dia, e, claro, mais tempo em casa com os filhos e a família”, destaca.

Além disso, o serviço público oferece inúmeros benefícios para quem tem dependentes. A legislação estabelece que os órgãos públicos federais são obrigados a conceder o período de 180 dias de licença maternidade e também o auxílio-creche, que é pago a servidores com filhos que tenham até seis anos de idade. O Senado e alguns órgãos do Poder Judiciário, como STF, STJ e TCU, oferecem também creches que atendem crianças de até dois anos de idade.

Outra importante vantagem, no caso dos órgãos públicos federais, é a garantia de um futuro amparado por um bom plano de saúde, tanto para o servidor como para seus dependentes. No caso dos filhos, o benefício é concedido até os 21 anos, ou até os 24 anos, se comprovado que o dependente cursa uma universidade.

Os chamados “auxílios” variam de acordo com cada órgão e vão desde auxílio natalidade e auxílio material escolar até salário-família e licença-doença da família. “Esse público (as mães) observa não só os salários, mas também a remuneração indireta, o conjunto de vantagens. Esses benefícios corroboram para a escolha do concurso público”, afirma Mário Elesbão.

A expectativa é de bons concursos para os próximos dez anos, de acordo com as previsões sobre o quadro de funcionários dos órgãos públicos federais. Os cursinhos preparatórios estimam que a maioria das pessoas aprovadas nas últimas provas levou em média dois anos estudando. A dica para as mães concurseiras, segundo Elesbão, é não ser imediatista. “Elas devem ir semeando aos poucos. Estude, faça uma prova. Estude, faça outra prova. O nível de concorrência é muito forte, então o conselho é não buscar um resultado imediato e, sim, ser perseverante”.

Saiba mais sobre notícias sobre concursos públicos no SOS Concurseiro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!