Bolsonaro repete Bolsonaro. Elogia Trump, critica Globo e evita entrevista

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou, nesta terça-feira (11), a acusar a Rede Globo de farsa na reportagem sobre as investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ). A matéria da emissora foi exibida em outubro do ano passado.

>Porteiro que citou Bolsonaro não é o que autorizou entrada de suspeito de matar Marielle, diz perícia

"Viu o que a perícia descobriu?", pergunta ele para apoiadora. "A voz não é do porteiro. A TV Globo faz uma armação com o pessoal da investigação, divulga o porteiro ligando pra mim. Eu não estava lá estava em Brasília. E agora descobriram que a voz nem é do porteiro. Parabéns Globo!", ironiza, "fake news total!".

As falas foram transmitidas ao vivo pelo canal Cafezinho com Pimenta.

Na reportagem da Rede Globo o nome do presidente foi citado, sendo associado ao caso do assassinato da vereadora Marielle Franco. Segundo a reportagem, o porteiro do condomínio, onde Bolsonaro mora no Rio de Janeiro, teria ligado para a residência do então deputado federal pedindo para falar com o "seu Jair" e  o próprio teria liberado a entrada do carro dos assassinos da vereadora. No mesmo dia, Bolsonaro tem presença registrada em sessão da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Na conversa com apoiadores, o presidente elogiou o mandatário americano, Donald Trump, ao conversar com um apoiador brasileiro acompanhado da esposa americana.

O presidente brasileiro criticou também a imprensa americana. "Por que o Trump é tão criticado pela imprensa dos Estados Unidos? Combateu o desemprego, melhorou a economia. Não sei porque o Trump é tão criticado pela imprensa americana. Será que quando a notícia é boa não vende?".

O mandatário respondeu a uma pergunta da imprensa confirmando que receberia o chanceler argentino, caso ele chegasse amanhã.

Na sequência, o presidente encerrou a conversa com apoiadores e se recusou a responder pergunta sobre a saída do Brasil da lista de países em desenvolvimento e entrou no carro oficial. De lá seguiu para uma reunião com o ministro da Justiça, Sergio Moro.

O Brasil foi excluído com outros 18 países, pelos Estados Unidos, da lista dos países em desenvolvimento. Os EUA haviam prometido apoio para entrada do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), no mês passado. A medida poderá diminuir benefícios comerciais.

>EUA vão priorizar entrada do Brasil na OCDE

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!