Bolsonaro: CDH fechada seria “melhor para a família”

Deputado do PP do Rio de Janeiro, conhecido pelas declarações controversas, disse em discurso que Comissão de Direitos Humanos aprova "tudo que é de mau contra a família, os bons costumes e o cristianismo"

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), conhecido na Câmara por suas frases controversas, declarou nesta quinta-feira (14), em discurso feito no plenário, que seria melhor para a família se a Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH) estivesse fechada. Ele também comemorou a eleição do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para presidir a comissão, dizendo que agora não haverá mais a aprovação de projetos relacionados a Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT).

"Esta comissão, caso estivesse fechada, seria muito melhor para a família, para os bons costumes e para o cristianismo, do que se estivesse ela funcionando sob a presidência do deputado Domingos Dutra, que aprova tudo que é de mau contra a família, os bons costumes e o cristianismo", disparou Bolsonaro. O deputado do PP, que é capitão do Exército brasileiro, posicionou-se em vários momentos contra a atuação da CDH no ano passado. Em especial, quando foi criada a Comissão Parlamentar Memória, Verdade e Justiça.

O colegiado tem como missão auxiliar a Comissão Nacional da Verdade, órgão ligado à Presidência da República criado em novembro de 2011 para investigar violações de direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988 no Brasil por agentes do estado, especialmente no período da ditadura militar (1964 a 1985). Para este ano, a comissão da Câmara tem uma agenda que inclui depoimentos de personagens que atuaram na repressão militar e audiências públicas para esclarecer questões duvidosas da época.

Também incomada Bolsonaro - assim como boa parte da Frente Parlamentar Evangélica - as audiências públicas relacionadas a questões de sexualidade e gênero. No discurso, o pepista disse: "Lá não teremos mais milhões no orçamento destinados a paradas gays; não veremos mais lançamentos de filmes pornográficos infantis, patrocinados pelo MEC, para passar em escolas do ensino fundamental, estimulando o homossexualismo nas escolas; não teremos mais seminários de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, para o público infanto-juvenil, estimulando a pedofilia; não teremos mais parcerias com o MEC para confecção de kit gay".

Após o discurso de Bolsonaro, deputados do PT e do Psol vieram em defesa da atuação da CDH até o ano passado e voltaram a pedir a saída de Feliciano da presidência. "Será uma presidência e uma comissão, em 2013, de permanente crise, o que não ajuda este Parlamento", disse o deputado Chico Alencar (Psol-RJ). "Até quando esta Casa vai olhar, vai ver, vai escutar posturas ou palavras de baixo calão de deputados, como o deputado Bolsonaro, de baixo calão, de desrespeito, posturas absolutamente acintosas que nitidamente quebram o decoro parlamentar e vai fazer de conta que nada está acontecendo", questionou Erika Kokay (PT-DF).

Psicóloga acusa Bolsonaro de deturpar sua opinião
Bolsonaro: “Estou me lixando”
Bolsonaro: “O que Dilma fez com o dinheiro que roubou?”
Sem fazer alarde, Câmara livra Jair Bolsonaro
Bolsonaro declara guerra aos homossexuais

Henrique Alves recomenda equilíbrio e moderação na CDH
Bate-boca marca primeira sessão da CDH com Feliciano

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!