Boca de urna do Ibope erra em oito de 11 capitais

Os erros foram maiores em Curitiba, Salvador e Manaus. Instituto inverteu colocações na capital baiana, não viu avanço de Fruet no Paraná e superestimou votação de senadora no Amazonas

O Ibope antecipou com precisão o resultado mais aguardado destas eleições municipais: a definição dos dois adversários que se enfrentarão no segundo turno em São Paulo. Em pesquisa divulgada às 17h pela TV Globo, o Ibope já anunciava que José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT) haviam deixado para trás Celso Russomanno (PRB). Os índices obtidos pelos três candidatos paulistanos ficaram dentro da margem de erro, de dois pontos percentuais, estabelecida pelo instituto. O acerto na capital paulista não esconde, porém, os erros da boca de urna do Ibope em outras capitais.

Entre aqui para conferir os resultados da votação e da boca de urna do Ibope

Houve divergência acentuada entre os resultados previstos pelo instituto e os números apontados pelas urnas em três das 11 cidades pesquisadas: Curitiba, Salvador e Manaus. Em outras cinco, a votação ficou fora da margem de erro, embora os desvios tenham sido menos gritantes: Porto Alegre, Rio de Janeiro, Goiânia, Recife e Fortaleza.

Os principais erros

Na capital paranaense, a boca de urna foi precisa ao dar a primeira colocação ao deputado Ratinho Júnior (PSC), que avançou para o segundo turno com 34% dos votos válidos. Mas errou ao identificar o adversário dele: apontou o prefeito Luciano Ducci (PSB) em vez do deputado Gustavo Fruet (PDT).

Fruet, que aparecia em terceiro lugar com 24% dos votos na pesquisa realizada hoje (7), terminou com 27,23%. Ducci, que figurava com 29% na boca de urna, ficou com 26,76%. Ou seja, o pedetista terminou à frente com 4.402 votos.

Em Salvador, o Ibope errou ao apontar uma vantagem de sete pontos percentuais para Nelson Pelegrino (PT) sobre ACM Neto (DEM). O líder do DEM na Câmara terminou a votação ligeiramente à frente do deputado petista, diferença de menos de um ponto percentual.

Na capital de Manaus, a boca de urna superestimou a votação dada à senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), segunda colocada. A diferença entre ela e o primeiro colocado, Arthur Virgílio (PSDB), que era de 11 pontos, de acordo com o instituto, acabou chegando a 20 pontos. Arthur Virgílio vai ao segundo turno com 40,56% dos votos válidos.

Outros candidatos acabaram tendo menos votos do que os estimados pela boca de urna do Ibope, aplicada a margem de erro, como Manoela D’Ávila (PCdoB) em Porto Alegre, Jovair Arantes (PTB) em Goiânia e o próprio prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSDB). No caso de Paes, a diferença não o impediu de ser reeleito em primeiro turno com uma das maiores votações proporcionais do país.

Veja o resultado das eleições nas 11 capitais onde o Ibope realizou boca de urna e os números apontados pelo instituto

Confira os erros e acertos da boca de urna

Tudo sobre as eleições

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!