Bloco Democracia Progressista faz as últimas indicações para o Conselho de Ética

A primeira tarefa do Conselho de Ética será examinar a representação da Rede e do PSOL contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) acusado de receber propina da empresa JBS

 

O Bloco Parlamentar Democracia Progressista (PP, PSD) indicou, nessa quarta-feira (31), os senadores Ivo Cassol e Lasier Martins como titulares e os senadores Gladson Cameli e Otto Alencar como suplentes do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar nos próximos dois anos. Os outros blocos já haviam feito as indicações, que foram aprovadas pelo Plenário na terça-feira (30) e o senador João Alberto Souza (PMDB-MA), mais idoso entre os indicados, marcou a reunião de instalação para o próximo dia 6.

O colegiado é formado por 15 membros e, com a apresentação dos nomes pelo Bloco Democracia Progressista, 14 já foram indicados pelas lideranças partidárias. A última vaga pertence ao Bloco da Maioria (PMDB), que ainda não fez sua última indicação. Isso não impedia, no entanto, o funcionamento do colegiado.

O Bloco da Maioria indicou os senadores Airton Sandoval, João Alberto Sousa e Romero Jucá como titulares do conselho e os senadores Jader Barbalho, Eduardo Braga e Hélio José como suplentes. Não houve indicações para a quarta vaga do bloco no conselho.

O Bloco Social Democrata (PSDB, DEM e PV) indicou os senadores Davi Alcolumbre, Flexa Ribeiro e Eduardo Amorim como titulares. Os senadores Ataídes Oliveira e Paulo Bauer serão os suplentes do bloco. O Bloco da Resistência Democrática (PDT, PT) indicou José Pimentel e Acir Gurgacz para titulares e as senadoras Regina Souza e Fátima Bezerra para suplentes. Já o Bloco Parlamentar Socialismo e Democracia (PPS, PSB, PCdoB e Rede) terá como representantes os senadores João Capiberibe e Antônio Carlos Valadares. O Bloco Moderador (PTB, PSC, PRB, PR e PTC) indicou os senadores Wellington Fagundes e Pedro Chaves para titulares.

O Conselho de Ética tem como funções zelar pelo cumprimento do Código de Ética e Decoro Parlamentar e do Regimento Interno do Senado e atuar para preservar a dignidade do mandato parlamentar dos senadores. Após a aprovação dos nomes em Plenário, realizada na terça-feira, será marcada a primeira reunião para instalação do conselho e a eleição do presidente e vice-presidente. A reunião será presidida pelo membro mais idoso. A primeira tarefa do Conselho de Ética será examinar a representação da Rede e do PSOL contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) acusado de receber propina da empresa JBS.

Leia também:

Telmário Mota se retira do Conselho de Ética do Senado: “Nivelado por baixo”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!