Bancada do DF pressiona por investigação contra Jaqueline

Mário Coelho


Após reunião na tarde desta segunda-feira (14), a bancada de deputados federais do Distrito Federal decidiu aumentar a pressão pela investigação contra Jaqueline Roriz (PMN-DF) no Conselho de Ética da Câmara. Os parlamentares devem entregar amanhã uma carta ao presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), reforçando a gravidade das denúncias e a "necessidade de apuração rigorosa". O texto ainda não está pronto e vai passar antes pelo crivo dos integrantes da bancada.


Seis dos oito parlamentares participaram da reunião: os petistas Erika Kokay e Policarpo, José Antônio Reguffe (PDT-DF), Ricardo Quirino (PRB-DF), Izalci Lucas (PR-DF) e Augusto Carvalho (PPS-DF). Ronaldo Fonseca (PR-DF) não participou por conta do falecimento do seu pai. A bancada é completada por Jaqueline Roriz. Eles definiram que quatro pontos farão parte da carta. O primeiro é justamente a gravidade das denúncias. Na semana retrasada, o jornal O Estado de S. Paulo divulgou vídeo em que Jaqueline aparece recebendo, junto com o marido, Manoel Neto, dinheiro das mãos de Durval Barbosa para a campanha à deputada distrital em 2006.


Os deputados também vão reforçar a necessidade de uma apuração rigorosa do fato. Na semana passada, Marco Maia, ao anunciar a instalação do Conselho de Ética na quarta-feira (16), considerou as denúncias graves e ressaltou que a Casa precisa apurar e Jaqueline dedicar seu tempo à sua defesa. No documento, também vão apoiar as medidas anunciadas pelo petista para acelerar a tramitação de processos no Conselho.


Por último, farão um apelo para que todos os vídeos ainda em poder de Durval Barbosa sejam divulgados. "A sociedade tem o direito de saber o conteúdo e a relevância de todos os vídeos", disse a deputada Erika Kokay. Segundo a petista, a carta deve ser elaborada hoje e passar pelo crivo dos membros da bancada até amanhã. Eles pretendem entregar o documento a Marco Maia nesta terça-feira. O encontro, até agora, não está marcado. "Brasília não pode viver nessa ansiedade", comentou.


Na reunião, não foi discutida a possibilidade de apresentar uma nova representação contra Jaqueline no Conselho de Ética. De acordo com a petista, como o Psol já apresentou, não existe a necessidade de protocolar outro pedido de investigação sobre o mesmo assunto. Porém, acrescentou que pode haver um aumento na representação inicial. A TV Globo divulgou hoje que ela usou a verba indenizatória da Câmara Legislativa para pagar o aluguel de uma sala comercial que pertence ao seu marido.

Leia também:

Jaqueline Roriz pede acesso ao vídeo da propina 

PGR pede abertura de inquérito contra Jaqueline 

Psol pede investigação de Jaqueline Roriz 

Jaqueline deixa comissão da reforma política 

Corregedor diz acompanhar caso Jaqueline Roriz 

Maia quer informações de propina a Jaqueline Roriz

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!