Ausência de líderes em reunião com Temer expõe insatisfação na base aliada

 

A ausência de líderes em reunião convocada pelo presidente Michel Temer (PMDB) no Palácio do Planalto expôs, nesta segunda-feira (6), a crescente insatisfação de partidos da base aliada que trabalharam para sepultar, em duas votações de plenário, denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o peemedebista. Um dos que manifestaram descontentamento ao recusar o encontro, organizado justamente para unificar o grupo de apoio, foi o líder do PP na Câmara, Arhur Lira (AL), que está à frente de 45 deputados – número importante para o governo, que precisa de ao menos 342 votos para aprovar a reforma da Previdência, por exemplo.

<< Disputa entre PMDB e DEM leva Maia a advertir Temer: “Que não vire relação entre inimigos”

<Tasso banca “autocrítica” do PSDB em vídeo que amplia racha tucano e crise com Temer: “Não me arrependo”

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) verbalizou o descontentamento dos partidos da base, principalmente no chamado "centrão", agremiação de bancadas que reúne mais de 200 deputados. Em Brasília para viabilizar, em um dia tradicionalmente esvaziado em plenário, um pacote de projetos relativos à segurança pública, Maia disse que há vários parlamentares governistas "magoados" com o governo – que, com oferta de cargos e orçamento reduzidos, não tem atendido ao conjunto da base a contento.

"Nós passamos cinco meses, aqui [no Congresso], de muita tensão. Um desgaste muito grande para os deputados da base que votaram com o presidente. Não adianta a gente negar, os deputados estão machucados. Então, o governo precisa dar uma conversada com os lideres, dar uma reorganizada na base", ponderou o deputado fluminense, referindo-se às chances de aprovação da reforma Previdência depois uma batalha ainda mais impopular vencida pela base de apoio – em pouco mais de dois meses, duas denúncias contra Temer barradas em meio a índices crescente de rejeição popular ao presidente.

Uma das principais queixas do centrão, além da distribuição de cargos estratégicos e de nacos orçamentários, é a reforma ministerial. Com o capital político desgastado para aprovar reformas, o governo agora se vê refém de bancadas que, numerosas, intensificaram as cobranças por espaços maiores no poder central. Nesse sentido, partidos fieis a Temer reclamam que o PSDB, por exemplo, mantém quatro ministérios, mesmo depois de metade dos 46 deputados tucanos terem votado a favor de investigações iniciadas contra o presidente.

<< PSDB e partido de Kassab lideram “traições” a Temer; veja como cada legenda votou

Ao menos dois deputados foram ao encontro justamente para avisar a Temer que, sem a reforma ministerial nos moldes do que quer o centrão, reformas como a da Previdência vão continuar ameaçadas. "A reforma da Previdência tem que ser discutida a partir de 2019. Não se vota uma medida dessa no fim de mandato", observa o líder do PR, José Rocha (BA), que comanda 37 deputados. "Vou falar ao presidente que a reforma da Previdência do jeito que está não passa", emendou o líder do PSD, Marcos Montes (MG), à frente de 38 parlamentares. As falas foram registradas no blog do jornalista Gerson Camarotti, no portal G1.

"Uns fazem de conta que são da base, outros fazem de conta que votam. Desse jeito, governo vai ter base que não vota", advertiu o líder de um dos partidos do centrão, segundo o Blog do Camarotti.

Tucano despachado

A ausência de Arhur Lira, adiantada pelo repórter Nilson Klava, da Globonews, expõe ainda a situação da articulação política em meio ao ciúme do centrão com o PSDB. A função palaciana é desempenhada pelo ministro tucano Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo), deputado baiano que voltou à Câmara por um dia, em 25 de outubro, para votar contra a continuidade da segunda denúncia da PGR contra Temer. Mantido o protagonismo do PSDB na gestão Temer, deputados da base passaram a ignorar Imbassahy e adotaram como interlocutor no Planalto o peemedebista Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa Civil.

Contribui para o estado de inflamação na base a persistente divisão do PSDB em relação à manutenção da aliança do partido com Temer. O governo tem visto seu principal fiador no partido, senador Aécio Neves (MG), perder espaço para a ala representada nos chamados "cabeças pretas", como são chamados os peessedebistas favoráveis ao rompimento com o governo – a oposição acusou Aécio, também investigado na Operação Lava Jato, de ter atuado para salvar Temer das denúncias da PGR, em operação de mútua colaboração. Denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva e obstrução de Justiça, Aécio está afastado do comando do PSDB.

A queda de braço particular no tucanato opõe o governador de Goiás, Marconi Perillo, aliado de Aécio, ao presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), que se soma ao presidente de honra do partido, Fernando Henrique Cardoso, na defesa do rompimento com Temer – a exemplo de Perillo, que se lançou na disputa à sucessão de Aécio, Tasso deve ser anunciado como candidato à presidência da legenda nesta semana. Na avaliação do ex-presidente da República, o PSDB pode apresentar um nome competitivo para 2018, mas antes precisa passar a limpo seu passado recente e renovar sua alma para não ser confundido com o "peemedebismo".

<< Após estímulo de FHC, tucanos ameaçam movimento por desembarque do governo Temer

<< Veja a íntegra do artigo de FHC

Os demais líderes e vice-líderes que participaram da reunião com Temer foram Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Aluísio Mendes (Pode-MA), André Moura (PSC-SE), Aureo (SD-RJ), Baleia Rossi (PMDB-SP), Beto Mansur (PRB-SP), Cléber Verde (PRB-MA), Darcísio Perondi (PMDB-RS), Laerte Bessa (PR-DF), Lelo Coimbra (PMDB-ES) e Tereza Cristina (PSB-MS). Além de Imbassahy e Padilha, estavam no Planalto os ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência).

Na reunião, Temer voltou a criticar as denúncias apresentadas por Janot, que deixou o comando da PGR em 17 de setembro, na reta final de sua gestão. Também admitiu que a reforma da Previdência pode não ser aprovada "em todo o conjunto" agora, mas que pode ser revisada pelo próximo governo. Além disso, o presidente anunciou a elaboração de uma proposta de privatização da Eletrobras, a ser encaminhada ao Congresso por meio de um projeto de lei. A ideia do Planalto é enviar a proposição, que já enfrenta resistência da oposição tanto na Câmara quanto no Senado, até a próxima quinta-feira (9).

 

<< FHC defende rompimento com Temer e que PSDB passe o seu passado recente a limpo

<< Marconi diz a Tasso que vai disputar comando do PSDB; senador cogita permanecer no posto

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!