Aúdio mostra conselho da Petrobras rachado sobre indicação de Renan

Em áudio, Mantega e Graça Foster são acusados por conselheiros de tentar adiar afastamento, do comando da Transpetro, de Sérgio Machado, apadrinhado do senador do PMDB. Machado teria recebido propina de R$ 500 mil

O áudio de uma reunião do Conselho de Administração da Petrobras realizada em outubro de 2014 mostra conselheiros acusando o então presidente do colegiado, Guido Mantega, e a ex-presidente da estatal Graça Foster de tentar adiar a demissão de Sérgio Machado, que àquela época estava no comando da subsidiária Transpetro. Machado é afilhado político do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e por ele foi indicado para o posto. Renan é um dos alvos de inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal no âmbito da Operação Lava Jato, que investiga esquema bilionário de corrupção na petrolífera.

Veiculadas nas versões impressa e online do jornal O Estado de S. Paulo deste sábado (9), as gravações revelam o clima tenso da reunião, em que conselheiros reclamavam da suposta interferência política do governo nas decisões sobre a petrolífera. Foram cerca de três horas de conversas, em 31 de outubro. Na ocasião, a auditora dos resultados financeiros da Petrobras, PriceWaterhouseCoopers (PwC), relutava em aprovar o balanço relativo ao terceiro trimestre da companhia e exigia providências em relação ao escândalo de corrupção. A começar pelo afastamento de Sérgio Machado, a apadrinhado por Renan.

Um dos protagonistas do esquema de desvios, o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa afirmou, em regime de delação premiada, que Machado havia recebido R$ 500 mil em propina. Mesmo acusado de corrupção, Machado se mantinha no cargo, o que gerava a controversa situação de que, na condição de diretor da Transpetro, ele seria signatário do balanço a ser avalizado pela PwC. Por iniciativa própria, Machado se licenciou temporariamente do cargo em 3 de novembro do ano passado. No dia seguinte foi retomada a reunião do conselho, interrompida em outubro por Mantega diante do racha no colegiado.

A questão é que a saída de Machado naquela época, sob acusação de corrupção, desagradaria Renan, então peça-chave na base aliada da presidenta Dilma Rousseff – atualmente, seu principal opositor no Congresso. Por isso, conselheiros da Petrobras escolhiam as palavras para defender a saída do diretor, que renovou seu pedido de licença não remunerada e continua afastado da Transpetro.

“Ninguém está dizendo que ele [Machado] é criminoso. Existe uma acusação e a regra […] diz que tem que afastar. Vou dizer uma coisa aqui que o presidente não vai gostar. Eu acho que isso é porque, primeiro, tem de pedir autorização ao Renan Calheiros. Se a gente não tem poder aqui para tirar uma pessoa que está complicando a situação da Petrobrás, quem é que manda nessa empresa?”, indagou o conselheiro Sílvio Sinedino.

Escute aqui a gravação

Outro conselheiro arremata: “Temos de remover obstáculos na medida em que aparecem. O primeiro é o afastamento temporário, com o consentimento dele ou não”, disse Sérgio Quintella. “Se ele é irresponsável, tem que ser demitido”, atacou mais um membro do conselho.

“Mantega argumentou que, ao afastar Machado, os conselheiros estariam ratificando acusações contra ele sem uma conclusão das investigações e uma decisão da Justiça. Mas ouviu que, diante de situação muito menos 'dramática', a estatal demitira, meses antes, o ex-diretor financeiro da BR, Nestor Cerveró, responsabilizado pela compra desastrosa da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA)'”, diz trecho da reportagem, acrescentando que Mantega chegou a sugerir férias a Machado. “Férias, não. Têm de ser afastados os poderes que ele tem”, insistiu Quintella.

Confira a íntegra da reportagem

Leia também:

Em áudio, Mantega tenta esconder perdas de R$ 88 bilhões na Petrobras

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre Petrobras

Mais sobre economia brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!