Às vésperas de votação de denúncia, ministro e deputados se desfiliam do PSB

Fernando Coelho Filho e ex-líder do partido de oposição ao presidente escapam de processo de expulsão e devem ajudar Temer a se livrar de nova acusação criminal

O ministro das Minas e Energia, o deputado licenciado Fernando Coelho Filho (PB), deve pedir desfiliação do PSB às vésperas da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara. Mais quatro deputados já fizerem o mesmo nas últimas horas. Eles estavam ameaçados de expulsão e devem engrossar o coro de congressistas a rejeitar a acusação criminal contra o peemedebista nesta quarta-feira (25).

A desfiliação de Coelho Filho ainda não chegou ao PSB. O partido já recebeu a carta de saída da ex-líder da legenda na Câmara Tereza Cristina (MS), de Danilo Forte (CE), de Fábio Garcia (MT) e de Adolfo Sachetti (MT). O PSB abriu processo de expulsão porque eles votaram favoravelmente à reforma trabalhista, uma das prioridades do Planalto

Na sexta-feira (27), o partido votaria se excluiria o cinco correligionários. Para no novo líder do PSB, Júlio Delgado (MG), isso significa que Coelho Filho, que deve se licenciar do ministério para votar na Câmara, e os outros quatro deputados devem votar para rejeitar a denúncia contra Michel Temer.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!