Aposentados estão fora das prioridades da Câmara

Renata Camargo

Uma das maiores reinvidicações dos aposentados continua fora das prioridades do Congresso. O projeto de lei 01/07 propõe a extensão dos percentuais de reajuste do salário mínimo para os benefícios da Previdência, mas é o sexto item da pauta, sem prazo para ser votado.


Ontem (20), centenas de aposentados fizeram manifestações em todo o país para pressionar pelo fim do fator previdenciário e por reajustes mais eqüitativos nos benefícios. Na semana passada, um grupo de parlamentares e representantes dos aposentados se reuniu com o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP). Receberam o sinal de que o PL 01/07 será colocado em votação.


Na última reuniáo de líderes, porém, o líder do Psol, Ivan Valente (SP), fracassou na tentativa de incluir o projeto entre as prioridades. “Não houve nenhuma contestação, mas também não houve nenhuma adesão para que a votação do projeto fosse prioridade. Entendo que devemos votar e não segurar essa votação. Mas não sei até onde eles têm vontade de votar isso na Câmara”, afirmou Valente.


Sem posição


Entre os tucanos, segundo o vice-líder do partido Duarte Nogueira (SP), o tema nem tem sido tratado. O parlamentar afirma que por causa do trancamento da pauta – obstruída por dez medidas provisórias – e devido às repercussões das denúncias do Senado, a bancada do PSDB não chegou a  o tema debater ainda este ano.


“Não temos um posicionamento definido. A bancada ficou por conta de se posicionar sobre os temas da semana”, justificou Duarte. “Mas, de qualquer forma, o PSDB tem uma linha definida que é defender uma reforma do sistema previdenciário, que ofereça estabilidade para as contas do país e mais eficiência no oferecimento dos benefícios”, considerou.


Questionado sobre o posicionamento da base governista em relação aos projetos, o líder do governo na Câmara, deputado Henrique Fontana (PT-RS), ficou reticente. “Não temos um posicionamento sobre projetos específicos, nós temos essa política geral e estamos trabalhando em torno dela com o presidente, com o ministro. Os aposentados sabem que o governo Lula melhorou muito a situação deles”, disse ao site.


Sentimento


O relator do PL 1/07, deputado Roberto Santiago (PV-SP), tem a expectativa de votar o projeto no final do mês de abril. Segundo o parlamentar, por ser o sexto item da pauta, a proposta pode ser apreciada dentro de 20 dias.


“O projeto está pronto para ser votado. Por mais que algumas pessoas não estejam engajadas nem ‘preocupadas’ com o problema, aposentado tem em todos os estados e as eleições é o ano que vem”, desafiou Santiago. “Sei que o governo vai querer colocar a base para votar contra, mas meu sentimento é que boa parte dos deputados governistas votam a favor do projeto”, disse.


Para o líder do Psol, governistas e oposição não definiram claramente suas posições. “O governo está contrário ao projeto e também partidos de oposição, como o PSDB e o DEM, votaram no Senado a favor da proposta mais para colocar o governo em dificuldade”, avalia Valente. “A oposição de direita caminha cheia de ambigüidades. Eles votaram, por exemplo, pela criação do fator previdenciário e agora se sentem desconfortáveis em votar contra os aposentados”, alfinetou.


Espera


Outros dois projetos relevantes para os aposentados ainda tramitam nas comissões da Casa e, dificilmente, serão votados em plenário ainda este semestre. O PL 4.434/08 – que mantém uma paridade constante entre o valor da aposentadoria e o número de salários mínimos recebidos na data de início da concessão do benefício – ainda precisa passar pelas comissões de Seguridade Social, de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça.


Na Comissão de Seguridade, a proposta já tem o parecer favorável do relator, o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que manteve a mesma redação dada pelo autor da proposta, o senador Paulo Paim (PT-RS). Mas, segundo a assessoria da presidente da comissão, a deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA), não há previsão para que a proposta seja apreciada.


Já o Projeto de Lei 3.299/2008 – um dos mais polêmicos, porque extingue o fator previdenciário – precisa ser apreciado nas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça. No mês passado, o relator do projeto, deputado Pepe Vargas (PT-RS), apresentou um pré-relatório em que o fator era mantido parcialmente. A proposta não foi bem aceita pelas centrais sindicais e novas audiências públicas para debater o tema foram marcadas para a próxima semana. “Até a segunda semana de abril, pretendo apresentar o relatório. Na CCJ, não haverá discussão de mérito. Mas não há previsão de quando essa proposta chegará em plenário. Seria desejável que chegasse ainda este semestre”, avaliou o relator. 


Os três projetos que beneficiam os aposentados têm causado grande polêmica, especialmente, porque o governo teme aumento de gasto e conseqüente prejuízo nos cofres públicos. Como mostrou o Congresso em Foco, em novembro do ano passado (leia mais), a aprovação das propostas sobre aposentados que tramitam no Congresso, levaria o governo a desembolsar o equivalente a um quarto (25%) do Produto Interno Bruto (PIB).

Continuar lendo