Após decisão do STF, Cunha diz que não renuncia a “nada”

Eduardo Cunha afirma que não vai abrir mão nem da Presidência da Câmara nem de seu mandato, mesmo após ser afastado de suas funções pelo Supremo Tribunal Federal

Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em que os onze ministros votaram pelo suspensão do mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ele afirmou que não renunciará a "nem ao mandato nem à Presidência". O peemedebista diz ainda que espera sucesso no seu recurso junto à Suprema Corte.

Para o presidente afastado da Câmara, a decisão do STF foi "estranha", já que se trata de uma liminar de 16 de dezembro e que "seis meses depois não tem mais urgência". Ele afirma ser vítima de uma "retaliação do PT" por ter aceitado o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Cunha acredita que, com a saída de Dilma, provavelmente na quarta-feira (11), "isso vai acabar", e ele voltará ao seu cargo na Câmara. "O PT gosta de companhia no banco dos réus. Essa reação já era mais do que esperada. Para me trazer ao banco dos réus na companhia deles", declarou.

Mesmo afastado da Presidência da Câmara e do exercício de seu mandato, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) continuará recebendo salário e outros benefícios garantidos aos deputados, que somam mais de R$ 160 mil por mês, como este site antecipou mais cedo, com exclusividade.

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre Supremo Tribunal Federal

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!