Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Apesar da seca, reservatórios do DF fecham agosto com volume acima da meta estipulada pela Adasa

 

Há mais de cem dias sem chuva, os reservatórios de Santa Maria e do Descoberto fecharam o mês de agosto acima do esperado nas Curvas de Acompanhamento estabelecidas pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa).  O volume útil do Descoberto no mês de agosto ficou em 28,88%, quase quatro pontos percentuais acima da meta. O Santa Maria fechou em 36,55%, mais de três pontos percentuais a mais que o previsto. Em meados de agosto, o Descoberto estava com 34,79% de seu volume útil e o Santa Maria com 40,96%.

Segundo previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet-DF), só há expectativa de chuva para a segunda quinzena de setembro. Para tentar manter a situação sob controle – e, em caso crítico, colocar em prática os planos de emergência –, a Adasa estabeleceu curvas de acompanhamento do nível dos reservatórios até dezembro de 2017, com base em dados da vazão dos afluentes e captação de água pela Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb). Os números também servem como "metas" a serem alcançadas.

A avaliação do cumprimento das metas mensais é feita com base nos níveis do reservatório, cuja alteração se dá em razão das entradas de água no reservatório; do consumo de água pela população e pelos agricultores; e da situação climática. Para setembro, a previsão para o Descoberto é de 14% e para o Santa Maria, de 26%.

Com a crescente queda nos níveis dos reservatórios, a Caesb aposta em duas obras para impedir o colapso no abastecimento nos próximos anos. Uma delas é o sistema do Lago Paranoá. A previsão é que comece a funcionar em formato de testes até o fim de setembro. A outra obra é a do Bananal, do Parque Nacional de Brasília, que tem previsão de entrega para outubro. A obra está 55% concluída.

A expectativa é que os dois sistemas, juntos, levem 1,4 mil litros de água por segundo a mais para as casas dos brasilienses. Apesar das obras e dos níveis dos reservatórios estarem conforme o cronograma da Adasa, o órgão alerta que "o período de seca no DF está apenas começando e, caso a Curva de Acompanhamento se desvie das metas, medidas mais rigorosas serão tomadas com o objetivo de reduzir a demanda". O aumento de um para dois dias de racionamento é uma das medidas que poderá ser tomada.

Desde o dia 17 de janeiro, regiões administrativas abastecidas pelo Reservatório do Descoberto sofrem com o racionamento de água por um período de 24 horas, de seis em seis dias. Poupadas no primeiro momento, as regiões abastecidas pelo sistema Santa Maria/Torto, que englobam áreas nobres de Brasília, passaram a conviver com o racionamento no final de fevereiro. O risco, agora, é que esse racionamento aumente para 48h.

Em maio 2016, o volume do Descoberto estava em 89,2%. Em maio de 2017, o volume registrado foi de 55,7%. No caso do volume do Reservatório Santa Maria, em maio de 2016 estava com 74,7%. Já no mesmo mês deste ano, o volume registrado foi de 53,9%.

<<  Em período de racionamento no DF, prédios públicos aumentam gasto com água

<< Adasa suspende tarifa de contingência em pleno período de seca no DF

Continuar lendo