Mesmo que um presidente não queira, ele vai passar, diz FHC em seminário

Os ex-presidentes Michel Temer, Fernando Henrique Cardoso e José Sarney participam, neste momento,  junto ao ex-Ministro Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República Moreira Franco do debate de abertura do Seminário Um Novo Rumo Para o Brasil, organizado pelas lideranças do MDB, PSDB, DEM e Cidadania, em conjunto com instituições parceiras.

O debate, curado pelo jurista Nelson Jobim, tem como tema a crise institucional e democracia no Brasil. Além desse, outros temas de interesse na política nacional serão abordados durante o seminário de participação gratuita, previsto para durar até o dia 27 com debates em todas as noites, com exceção dos dias 18 e 19.

Nelson Jobim deu início ao debate dizendo que o que se vê no Brasil hoje é uma disfuncionalidade entre os três poderes.

“Se querem chamar toda essa disfuncionalidade de crise, precisamos apresentar soluções. Vamos procurar a verdade nos fatos e não em palavras”, declarou o ex-ministro da Justiça no governo FHC.  “A disfuncionalidade no Poder Judiciário foi agravada pela TV Justiça. O que deveria ser um mecanismo de transparência foi apropriado como instrumento visibilidade individual.”

Durante a discussão,  o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso,  classificou o encontro com os ex-líderes como fundamental para o Brasil. “Reitero o que já disse: o fato de estarmos juntos aqui, como uma família, mostra que isso não nos deformou. A liberdade e a democracia são valores maiores para todos nós”.

O presidente de honra do PSDB afirmou, ainda, que não dá para negar o fato de que o presidente Bolsonaro tem arroubos que não são condizentes com futuro democrático. "Mesmo que um presidente não queira, ele vai passar. Como nós passamos. Porque a consciência nacional não permite que seja diferente. Ser militar ou não, não importa."

Autor da Carta à Nação, na qual o presidente Jair Bolsonaro sinaliza trégua em sua cruzada contra o STF, disse que tem a percepção de que as instituições - sem citar quais - têm o costume de sair  do seu quadrado de competências com alguma frequência.

"Basta que nós ajamos no sentido de pacificar o País, de fazer relacionamento entre poderes, dar ao povo esta visão de que todos estamos todos trabalhando pela paz interna", ponderou o ex-presidente que sucedeu Dilma Rousseff após seu impeachment.

 

> Oposição e centro criam comitê pró-impeachment e unificam atos contra Bolsonaro
> CPI da Covid vai denunciar Bolsonaro ao Tribunal Penal Internacional

 

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo