Ao vivo: assista aos discursos de senadores na reta final do impeachment

Sob o comando do presidente do STF, Ricardo Lewandowski, senadores inscritos ainda se revezam em discursos no plenário. Sessão avançará pela madrugada e, por isso, decidiu-se pela remarcação do julgamento final para esta quarta-feira (31)

A jornada de discursos desta terça-feira (30) começou no Senado pouco depois das 10h e, segundo cálculo anunciado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que conduz a sessão em plenário, pode passar das 3h do dia seguinte. A sessão será reiniciada às 11h desta quarta-feira (31).

Observadores da cena política dão como certa a derrota da presidente Dilma Rousseff no julgamento final previsto para ser iniciado na tarde desta quarta-feira (31) – tese reforçada em sinais como o do ex-petista Cristovam Buarque (PPS-DF), que antes se dizia indeciso, mas agora parece irreversível na defesa do impeachment. Do outro lado, há nos aliados da presidente a esperança de que a velha fórmula da negociação política se imponha para reverter votos em cima da hora.

 

Assista à última sessão de discursos antes do julgamento final:

 

Como este site mostrou ontem (segunda, 29), o PT ainda tentava uma última cartada: nessa reta final do julgamento, dirigentes e parlamentares petistas e membros de partidos aliados estão oferecendo espaços de poder para tentar conseguir pelo menos seis votos de senadores ainda indecisos. As tratativas envolvem as eleições municipais de outubro e a disputa geral para o Congresso, assembleias legislativas e governos estaduais – além da própria Presidência da República – de 2018.

Como tem dito há meses, Dilma repetiu ontem, em seu discurso de 45 minutos, por nove vezes a palavra “golpe” para reafirmar o entendimento de que o processo em curso é uma “farsa” política. Ao reencontrar adversários como Aécio Neves (PSDB-MG), com quem duelou nas urnas em 2014, e o senador José Aníbal (PSDB-SP), que conhece há 50 anos, reeditou uma rivalidade que, nas ruas e nas redes, insiste em dividir o país.

“Impeachment sem crime de responsabilidade é uma violação das regras do jogo”, enfatizou a presidente afastada, em mais de uma ocasião.

Senado vira tribunal para julgar Dilma; entenda o julgamento final do impeachment

Mais sobre impeachment

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!