Antônio Anastasia (PSDB-MG)

O que há contra o senador no Supremo

Único tucano investigado pela Operação Lava Jato no Supremo, no Inquérito 3963, o ex-governador é suspeito de ter recebido R$ 1 milhão do esquema de corrupção na Petrobras. A investigação foi arquivada no dia 29 de outubro por falta de provas. (Atualização em 15/12/2015: o processo foi arquivado no final de outubro, dois meses depois da publicação desta matéria.)

O policial federal Jayme Filho, que atuava como emissário do doleiro Alberto Youssef, diz ter repassado a quantia a uma pessoa muito parecida com o hoje senador em uma residência em Belo Horizonte. Na época, Anastasia era vice-governador e candidato ao governo de Minas Gerais.

Youssef nega ter repassado dinheiro ao tucano. A defesa do parlamentar pediu ao STF o arquivamento da investigação por “absoluta imprestabilidade, total ineficácia probante e induvidosa precariedade” do depoimento do policial.

No dia 28 de agosto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou parecer ao Supremo pedindo o arquivamento do inquérito contra o senador mineiro por falta de provas. Cabe ao ministro Teori Zavascki, relator do caso, determinar o arquivamento. Mas, pelas regras do tribunal, um ministro não pode contrariar as recomendações de arquivamento feitas pela PGR.

Quase 40% dos senadores têm pendências criminais

Mais sobre processos

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!