André Vargas diz ser vítima de massacre midiático

Em nota, deputado petista disse que "massacre" é fruto de vazamento ilegal de informações

Em nota divulgada na tarde desta segunda-feira (7), o deputado federal André Vargas (PT-PR) afirmou ser vítima de um “massacre midiático”. Ele entregou hoje à mesa diretora da Câmara pedido de licença por 60 dias.

O petista paranaense é suspeito de envolvimento com negócios do doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal (PF) na operação Lava-Jato contra suposto esquema de lavagem de dinheiro. Parlamentares de oposição pedem investigação da conduta do petista.

Na nota, Vargas disse que, com a licença, pretende preservar a Câmara enquanto prepara sua defesa. Avaliou que o “massacre” é fruto de vazamento ilegal de informações.

O parlamentar citou que não é alvo de nenhuma investigação e que não foi comunicado oficialmente sobre os temas abordados pela imprensa. “A licença não interrompe prazos e nem suspende quaisquer procedimentos que possam ser instaurados pela Câmara”, complementou, reafirmando que está à disposição para prestar esclarecimentos.

Mais sobre André Vargas

Mais sobre a operação Lava-Jato

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!