Andrade Gutierrez admite “erros graves” e pede desculpas ao povo brasileiro

Segunda maior empreiteira do país reconhece participação em esquema de corrupção para a contratação de grandes obras e o pagamento de R$ 1 bilhão em multa, conforme prevê o acordo fechado semana passada com o juiz Sérgio Moro

Em comunicado publicado nos principais jornais do país nesta segunda-feira (9), o grupo Andrade Gutierrez admitiu participação em esquema de corrupção para a contratação de grandes obras e o pagamento de R$ 1 bilhão em multa, conforme prevê o acordo de leniência reconhecido semana passada pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz as investigações da Operação Lava Jato.

No texto, intitulado “Pedido de desculpas e manifesto por um Brasil melhor”, a companhia reconhece que cometeu “graves erros”, diz que implementou um sistema de compliance (controle interno) e propõe oito mudanças na forma de contratação de empresas para a realização de obras públicas. Na nota afirma, ainda, que deve um “sincero pedido de desculpas ao povo brasileiro”.

“Passadas essas fases, é o momento de a empresa vir a público e admitir, de modo transparente perante toda a sociedade brasileira, seus erros e reparar os danos causados ao país e à própria reputação da empresa. Além do pagamento de indenização de R$ 1 bilhão, previsto no acordo de leniência, a Andrade Gutierrez deve um sincero pedido de desculpas ao povo brasileiro. Reconhecemos que erros graves foram cometidos nos últimos anos e, ao contrário de negá-los, estamos assumindo-os publicamente”, diz o comunicado.

No acordo fechado com a Justiça, a segunda maior empreiteira do país se comprometeu a fornecer aos investigadores da Lava Jato provas relacionadas ao pagamento de propina em obras do setor elétrico e da Copa do Mundo, além de pagar R$ 1 bilhão como ressarcimento pelos crimes cometidos ao longo dos últimos anos em contratos com o poder público. Pelo acordo, o grupo também se propõe a revelar detalhes sobre pagamento de propina ao PT e ao PMDB, por meio de doações legais às campanhas eleitorais de 2010, 2012 e 2014, incluindo a eleição e a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

No comunicado, publicado na forma de informe publicitário, a empreiteira diz que a Lava Jato “poderá servir como um catalisador para profundas mudanças culturais, que transformem o modo de fazer negócios no país”.

Entre as sugestões feitas pela Andrade Gutierrez, estão: a obrigatoriedade de estudo de viabilidade técnico-econômica anterior ao lançamento do edital de concorrência; a exigência de projeto executivo de engenharia antes da licitação do projeto, permitindo a elaboração de orçamentos realistas e evitando-se assim previsões inexequíveis, e a punição de empresas e contratantes que não cumpram os contratos na sua totalidade.

Leia a íntegra da nota divulgada pela empreiteira:

“PEDIDO DE DESCULPAS E MANIFESTO POR UM BRASIL MELHOR

A Andrade Gutierrez concluiu a negociação de acordo de leniência com o Ministério Público Federal, iniciada em outubro de 2015, e durante os últimos meses vem prestando todos os esclarecimentos devidos sobre os assuntos pertinentes à Lava Jato. Os acordos de colaboração premiada dos ex-executivos da AG foram homologados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no início de abril deste ano e o acordo de leniência da companhia foi recém-homologado pelo juiz Sérgio Moro, em 5 de maio.

Passadas essas fases, é o momento de a empresa vir a público e admitir, de modo transparente perante toda a sociedade brasileira, seus erros e reparar os danos causados ao país e à própria reputação da empresa. Além do pagamento de indenização de R$ 1 bilhão, previsto no acordo de leniência, a Andrade Gutierrez deve um sincero pedido de desculpas ao povo brasileiro. Reconhecemos que erros graves foram cometidos nos últimos anos e, ao contrário de negá-los, estamos assumindo-os publicamente.

Entretanto, um pedido de desculpas, por si só, não basta: é preciso aprender com os erros praticados e, principalmente, atuar firmemente para que não voltem a ocorrer. Neste sentido, desde dezembro de 2013 estamos implementando um moderno modelo de Compliance, baseado em um rígido Código de Ética e Conduta, em linha com as melhores práticas adotadas em todo o mundo. Sabemos que o processo de aprimoramento desse modelo é longo, mas queremos reforçar nosso compromisso de sermos absolutamente intolerantes com qualquer tipo de desvio ético ou moral. Dessa forma, também mantemos nosso compromisso de continuar colaborando com as autoridades no decorrer das investigações.

É com esperança em um Brasil melhor e mais justo que assistimos aos recentes avanços trazidos pela atuação do Ministério Público Federal, dos Juízes condutores deste processo e das demais instâncias do Poder Judiciário brasileiro. Acreditamos que a Operação Lava Jato poderá servir como um catalisador para profundas mudanças culturais, que transformem o modo de fazer negócios no país. Esperamos que esse manifesto contribua para um grande debate nacional acerca da construção deste Brasil melhor, ajudando na eliminação de alguns de seus piores defeitos, como o desperdício de dinheiro público e a impunidade, entre muitos outros. Esse é um momento propício para que as principais entidades do setor de infraestrutura componham com o Governo Federal um movimento para atuar em prol de melhorias nos processos adotados até aqui. A Andrade Gutierrez tem uma história de 67 anos, com atuação em mais de 20 países, e se orgulha de poder contribuir com a geração de milhares de empregos e com o desenvolvimento da infraestrutura das comunidades nas quais atua.

Mais que fazer obras, queremos colaborar com a construção de um Brasil melhor, mais próspero, justo e desenvolvido. Por isso, apoiamos todo o esforço do Ministério Público Federal para aprimorar os mecanismos legais anticorrupção, e destacamos abaixo uma série de sugestões que acreditamos serem capazes de criar uma nova relação entre o poder público e as empresas nacionais, com atuação em obras de infraestrutura. Relação que privilegie a ética, a responsabilidade social e o zelo com o dinheiro público.

PROPOSTAS PARA UM BRASIL MELHOR

1) Obrigatoriedade de estudo de viabilidade técnico-econômica anterior ao lançamento do edital de concorrência, descartando-se obras que não contribuam para o desenvolvimento do país;

2) Obrigatoriedade de projeto executivo de engenharia antes da licitação do projeto, permitindo a elaboração de orçamentos realistas e evitando-se assim previsões inexequíveis que causem má qualidade na execução, atrasos, rescisões ou a combinação de todos estes fatores;

3) Obrigatoriedade de obtenção prévia de licenças ambientais, evitando-se contestações judiciais ao longo da execução do projeto e o início de obras que estejam em desacordo com a legislação;

4) Aferição dos serviços executados e de sua qualidade, realizados por empresa especializada, evitando-se a subjetividade e interpretações tendenciosas;

5) Garantir que ambas as partes tenham os seus direitos contratuais assegurados, passíveis de serem executados de forma equitativa;

6) Modelo de governança em empresas estatais e órgãos públicos que garanta que as decisões técnicas sejam tomadas por profissionais técnicos concursados e sem filiação partidária;

7) Início de obras somente sob garantia de disponibilidade de recursos financeiros, vinculados ao projeto até a sua conclusão;

8) Assegurar a punição de empresas e contratantes que não cumpram os contratos na sua totalidade. Sabemos que essas mudanças não serão possíveis se não houver o engajamento de todos os agentes do setor e de toda a sociedade.

Dessa forma, a Andrade Gutierrez espera que as entidades que representam o setor de infraestrutura, assim como as demais empresas desse mercado, se juntem em um movimento que possa definitivamente trazer mais transparência e eficiência para todo o mercado, resultando em um Brasil melhor.”

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!