Aliados empurram votação da cassação de Cunha

Objetivo da base do ex-presidente da Câmara é deixar para decidir sobre sua saída depois da conclusão do impeachment no Senado. Rodrigo Maia já marcou a leitura do parecer, mas não há previsão de votação

Para evitar qualquer reviravolta no processo de impeachment, aliados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pretendem votar a cassação do peemebista só depois que o processo contra a presidente afastada Dilma Rousseff for concluído no Senado. Ontem (terça, 2) o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou a leitura do processo contra Cunha para segunda-feira (8), porém, a data da votação segue em aberto.

Segundo Maia, a prioridade é votar matérias econômicas, como o projeto que trata da renegociação das dívidas dos estados com a União e o que retira a obrigatoriedade de a Petrobras participar das licitações de exploração do pré-sal. O presidente da Câmara disse que tentará votar a cassação ainda em agosto e negou a relação com o processo de impeachment – defendida pela tropa de choque de Cunha.

"Eu adoraria que a Dilma fosse cassada antes do Eduardo Cunha", afirmou o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), fiel aliado do ex-presidente da Câmara representando o discurso de grande parte da base de apoio do peemdebista e do governo Michel Temer. "Seria uma consideração com Cunha, protagonista desse processo", acrescentou o líder do PTB, Jovair Arantes (GO).

Abstenções

A votação que selará o destino de Eduardo Cunha ainda caminha para ter recorde em abstenções. Estima-se que 200 deputados não comparecerão ao plenário para votar a cassação. Com a estratégia, aliados pretendem adiar ainda mais o processo, que foi instaurado em 3 de novembro do ano passado. O presidente da Casa já afirmou que não pautará o caso com menos de 400 parlamentares presentes. Como são necessários 257 votos para tirar seu mandato, as ausências ajudam Cunha.

Atualmente na oposição, PT, PCdoB, Rede e Psol cobram do presidente da Casa uma resposta cobre a votação do relatório de Marcos Rogério (DEM-RO). “Esse processo já passou de 10 meses, portanto, não cabe pautar nenhum projeto, nenhuma prioridade do governo provisório golpista, sem que se vote a cassação do deputado Eduardo Cunha”, disse a líder da minoria, Jandira Feghali (PcdoB-RJ).

Mais sobre Eduardo Cunha

Mais sobre Legislativo em crise

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!