Aliados de Temer já avaliam nomes para ocupar Ministério da Fazenda, diz jornal

Nomes preferidos para assumir a Fazenda em um futuro governo Temer são Armínio Fraga e Henrique Meirelles

Os nomes cotados para assumir o Ministério da Fazenda no governo de Michel Temer, caso a presidente Dilma sofra o impeachment, são Armínio Fraga e Henrique Meirelles, segundo o jornal Folha de S. Paulo. A publicação, afirma, porém, que aliados de Temer negam que esses nomes já estejam sendo avaliados pelo vice-presidente.

Armínio é historicamente ligado ao PSDB, já Meirelles foi presidente do Banco Central no governo Lula. Ambos se encaixam na ideia de Temer e de seus aliados de ter na Fazenda um nome de prestígio entre os investidores do mercado financeiro e empresários. O objetivo é nomear um ministro capaz de ajudar no governo de transição e com bom trânsito entre os partidos políticos.

Armínio Fraga, por sua vez, já afirmou em entrevistas que não aceitaria o convite para participar de um governo de transição. O economista elogiou o programa "Ponte para o Futuro", apresentado pelo PMDB para um futuro governo Temer, e recebeu do vice-presidente o convite informal para assumir a pasta. A interlocutores, Temer afirma que "Armínio só não assume se não quiser".

Meirelles não foi sondado, mas já sabe que tem o nome cogitado. A formação do governo Temer ainda envolveria o senador José Serra (PSDB-SP) como ministro da Saúde e outro tucano no Planejamento.

Segundo o ex-ministro Delfim Netto, que é conselheiro de Temer, o plano econômico do vice-presidente reúne a opinião de economistas de diferentes partidos. "O programa representa mais ou menos um consenso entre as pessoas que têm bom senso", disse Delfim. "É o programa de um liberal."

Programa Temer 2

A Folha destaca ainda que há outro programa do vice Michel Temer, focado principalmente na área social. A proposta deverá ser divulgada na próxima semana, quando o PMDB prepara sua festa de 50 anos.

O texto ainda está em fase de finalização e circula entre economistas e conselheiros de Moreira Franco, político do PMDB que pilota a confecção dos programas econômicos do vice-presidente.

A proposta, de maneira geral, entende que para distribuir renda é preciso retomar o crescimento. O intuito é que o governo concentre suas ações na parcela mais pobre da população, adotando "não políticas paternalistas, mas inclusivas".

Mais sobre Temer

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!